PF pede para prorrogar inquérito que investiga Temer no caso dos portos

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A Polícia Federal pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) mais 60 dias para concluir as investigações no inquérito que apura se o presidente Michel Temer favoreceu empresas do setor portuário ao promulgar o decreto dos portos, em maio de 2017.

O prazo de investigação termina, em tese, na primeira semana de julho.

A investigação foi aberta em setembro de 2017 para apurar se Temer recebeu vantagem indevida de empresas beneficiadas pela medida.

No entanto, a PF ainda não conseguiu concluir a análise do material e já havia prorrogado o inquérito anteriormente. O relator do caso no Supremo é o ministro Luís Roberto Barroso.

No âmbito do inquérito está uma reforma feita na casa de Maristela Temer, filha do presidente. A obra levantou a suspeita de que o presidente tenha lavado dinheiro de propina com reformas em imóveis de familiares e em transações imobiliárias em nomes de terceiros, na tentativa de ocultar bens. Temer nega as suspeitas.

Fornecedores relataram à PF a prática de pagamentos em espécie a pedido da arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher do coronel João Baptista Lima Filho, amigo do presidente e suspeito de ser intermediário de propinas para o emedebista.

Para investigadores, a origem do dinheiro das obras são a JBS e uma empresa contratada pela Engevix. Executivos da JBS afirmaram em delação que repassaram R$ 1 milhão a Temer, com intermediação do coronel, em setembro de 2014.

A Folha de S.Paulo revelou recentemente que documentos em poder da PF comprovam o uso de dinheiro vivo na reforma.

Depoimento de um fornecedor liga um depósito de R$ 56.500,00 em espécie a um contrato assinado por Maristela. E um extrato bancário mostra que esse depósito de fato ocorreu conforme o contrato acordado.

Os papéis foram entregues à PF por Antonio Carlos Pinto Júnior, que prestou depoimento no dia 29 de maio. Sua empresa, Qualifac, Fac Comércio de Acabamentos Ltda, foi um dos fornecedores da obra de Maristela.

Temer ressaltou que, nos últimos dois anos, a empresa estatal se recuperou de uma
Temer promulgou decreto dos portos em maio de 2017 – Marcelo Camargo/Ag Brasil

Política

PF pede para prorrogar inquérito que investiga Temer no caso dos portos

Atualizado

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A Polícia Federal pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) mais 60 dias para concluir as investigações no inquérito que apura se o presidente Michel Temer favoreceu empresas do setor portuário ao assinar um decreto em maio de 2017.

O prazo de investigação termina, em tese, na primeira semana de julho.

A investigação foi aberta em setembro de 2017 para apurar se Temer recebeu vantagem indevida de empresas beneficiadas pela medida.

No entanto, a PF ainda não conseguiu concluir a análise do material e já havia pedido prorrogação do inquérito anteriormente. O relator do caso no Supremo é o ministro Luís Roberto Barroso.

No âmbito do inquérito está uma reforma feita na casa de Maristela Temer, filha do presidente. A obra levantou a suspeita de que o presidente tenha lavado dinheiro de propina com reformas em imóveis de familiares e em transações imobiliárias em nomes de terceiros, na tentativa de ocultar bens.

A reforma é investigada sob a suspeita de que tenha sido bancada por suborno direcionado a Temer por meio do coronel João Baptista Lima, amigo do emedebista.

Depoimentos colhidos até agora pela Polícia Federal nesse inquérito contradizem a versão dada pela filha do presidente aos investigadores, a de que o gasto na obra ficou em torno de R$ 700 mil.

Um dos fornecedores da reforma, Luiz Eduardo Visani, por exemplo, diz ter recebido R$ 950 mil em dinheiro vivo na sede a Argeplan. Outro, Antonio Carlos Pinto Júnior, fala em R$ 120 mil.

Segundo os relatos colhidos pela PF até agora, a obra custou pelo menos R$ 1,2 milhão.

Em abril, a Folha de S.Paulo mostrou que a arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher de Lima, pagou em dinheiro vivo um outro fornecedor da reforma, Piero Cosulich, dono da Ibiza Acabamentos.

Temer nega recebimento de propina, afirmando que a investigação contra ele entrou “no terreno da ficção policial”, se tratando de “um escândalo digno do Projac”, em referência ao complexo de estúdios de telenovelas da Rede Globo.

Temer já chegou a ser questionado pela PF sobre sua relação com Lima. A pergunta era se ele já realizou negócios comerciais ou de qualquer outra natureza que envolvesse a transferência de recursos financeiros com o coronel.

À época (janeiro), Temer respondeu: “Nunca realizei negócios comerciais ou de qualquer outra natureza que envolvesse a transferência de recursos financeiros para o sr. João Batista Lima Filho.”

Caberá ao ministro Luís Roberto Barroso autorizar a prorrogação de prazo das investigações por mais 60 dias. Em maio, após pedido do delegado que conduz o inquérito, Cleyber Lopes, e parecer favorável da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o ministro concordou com uma primeira prorrogação, por 60 dias.

Na ocasião, estavam pendentes análises de sigilos dos envolvidos. Nesse intervalo, a PF avançou no rastreamento das conexões de uma empresa offshore com sede no Uruguai, ligada ao coronel Lima, com empresas do setor portuário. O ministro não tem prazo para decidir. Caso autorize, o inquérito será prorrogado até próximo das eleições.

Mais conteúdo sobre

Jornalismo

Nenhum conteúdo encontrado