Podas e cortes de árvores de Florianópolis só podem ser realizadas mediante autorização da Floram

Mesmo quando o vegetal está em terreno particular é necessário uma avaliação prévia do órgão público

Cortar uma árvore no quintal de casa não depende apenas da vontade do morador. Maria Olivia Francenar, 75 anos, espera, desde fevereiro do ano passado, autorização da Floram (Fundação Municipal do Meio Ambiente) para cortar um ficus (ficus benjamina) com dez metros de altura, plantado há 15 anos. Quando ela e o marido plantaram a muda não sabiam que as raízes iriam se espalhar e comprometer a estrutura da casa. Parte do muro já foi derrubada e a calçada precisou ser reformada, pois metade da árvore fica dentro do terreno dela e a outra metade, na rua.

De acordo com o decreto municipal 096/1995, todo corte ou poda de árvore precisa passar pela avaliação de técnicos da Floram para obter licença ou autorização. Será avaliado o valor histórico, ambiental e paisagístico do vegetal.

Segundo Jarbas Prudêncio Júnior, engenheiro agrônomo da Floram, o serviço de corte e poda é feito pelo órgão público somente em área pública. Em áreas privadas, deve ser contratado um serviço particular, que só poderá ser executado mediante autorização do órgão competente.  Muitas vezes, a poda já resolve o problema. O corte é o último recurso, que aprovamos somente se necessário até transplantarmos a árvore. Cada caso precisa ser avaliado. Alguns cidadãos querem o corte apenas porque caem muitas folhas e isto não justifica nenhuma alteração”, afirmou o engenheiro. Quem não cumprir as exigências da lei pode receber advertência ou multa, que varia de acordo a gravidade.  

Árvore coloca em risco casa de aposentada

Com 75 anos, Maria sente-se cansada, pois a cada semana precisa arrancar as raízes que brotam no chão do banheiro, dentro de casa. Além disso, recolhe, pelos menos duas vezes por semana, dois sacos de lixo de 100 litros, cheios de folhas que caem no pátio e na calçada do lado de fora.  “Não tínhamos ideia que cresceria tanto. Eu sou a favor da preservação, mas, neste caso, infelizmente não tem como manter. A árvore está destruindo a minha casa. Tenho medo que caia algum galho mais pesado ou quebre minha casa por dentro”, lamentou.

Há dois meses, a parte da árvore que fica do lado de fora da casa, sobre a calçada, foi podada por operários da Floram, mas ela disse que ainda não obteve resposta do órgão para saber se pode ou não mexer na parte da árvore que fica dentro da casa. Maria contou que os operários foram embora sem falar nada. Ela ainda aguarda o processo que corre na Floram para saber o que fazer do portão para dentro.

O engenheiro agrônomo da Floram disse que consultou o processo de Maria e observou que foi atendido o pedido da área pública para resolver questão da passagem de pedestres e da rede de energia elétrica. Não foi avaliado a área privada. Ele não soube explicar o motivo da moradora ter ficado sem resposta, mas afirmou que irá conversar com os técnicos que estiveram no local e será feita uma nova vistoria da área privada. Prudêncio Junior explicou também que a demanda é muito grande para o quadro de funcionários da fundação. Por isso,  não é possível atender com a agilidade que gostariam. “Após o concurso público, que será realizado no fim do mês, novos funcionários serão contratados. O atendimento deve melhorar”, apontou o engenheiro.

Árvores ideais para jardins

O engenheiro da Floram explicou que antes de plantar uma árvore é necessário observar as características do vegetal e o espaço para o crescimento.  O Ideal é evitar árvores de grande porte e de raiz superficial. Deve-se plantar, no mínimo, a três ou quatro metros da casa, e árvores de raízes profundas. Além disso, o cidadão interessado em plantar pode pedir orientação na Floram.

Indicadas para residências: ipê-amarelo, quaresmeira, pitangueira e ipê rosa anão

O ficus – O ficus benjamina é uma espécie de flora exótica, da família moraceae, originária da Ásia. Em condições naturais, a árvore pode chegar a 30 metros de altura. Suas raízes são agressivas e superficiais, podendo rachar vasos e pavimentos.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Notícias