Polícia busca identificar motorista que atropelou ciclista na SC-401 e fugiu

Delegado responsável afirmou que recebeu informações e que espera resolver o caso em breve

Equipes da Polícia Civil realizaram ontem as primeiras diligências na tentativa de identificar o motorista que matou a auxiliar de cozinha Simoni Bridi, 28 anos, após atropelá-la na SC-401, na madrugada de domingo (24), e fugir sem prestar socorro. O acidente aconteceu por volta da 1h no acostamento do km 18, no sentido Centro-bairro, em frente à igreja evangélica Castelinho, próximo à entrada de Canasvieiras, Norte da Ilha.

Divulgação/Facebook/ND

Responsável pelo caso, o delegado Alexandro Carvalho, da Central de Polícia do Norte da Ilha, não quis adiantar as pistas que estão sendo investigadas. Sob o argumento de que “pode atrapalhar as investigações”, Carvalho também não confirmou a informação repassada pelo vigia de um posto de combustíveis que disse ter visto um Gol branco fugindo do local depois do atropelamento. “O inquérito foi instaurado, as diligências começaram, algumas informações surgiram e esperamos em breve solucionar esse caso”, afirmou.

Mãe de dois filhos e moradora do Morro do Mosquito, na Vargem do Bom Jesus, Simoni foi atropelada e teve traumatismo craniano quando voltava para casa após o trabalho em um restaurante na Cachoeira do Bom Jesus. Ela chegou a ser atendida na UPA Norte, mas não resistiu aos ferimentos. Simoni trabalhava como auxiliar de cozinha no Antônio’s Restaurante e andava em uma bicicleta elétrica.

Natural de Pouso Redondo, no Alto Vale do Itajaí, Simoni tinha dois filhos, um menino de 10 anos e uma menina de 2. “Minha mãe está muito nervosa, deprimida, a Simoni era trabalhadora, e infelizmente cruzou o caminho de um desalmado, que sequer parou para socorrê-la”, lamentou Silvania Bridi, 27, grávida de sete meses e que agora terá a responsabilidade de ajudar a mãe a criar os dois filhos da irmã.

No domingo, Silvania e Josimar Bridi, após enterrarem a irmã, ainda tiveram que correr atrás de uma mochila com documentos e um celular de Simoni. Estiveram na UPA Norte, onde recuperaram outros objetos, e no Corpo de Bombeiros do Norte da Ilha, onde uma nova visita hoje e a chance de falar com os plantonistas que trabalharam na data do acidente pode ajudá-los a encontrar a certidão de nascimento que ela carregava em seus pertences. “A gente precisa desse documento”, disse Josimar.

Rotina diária na companhia da irmã e de amiga

Simoni costumava fazer diariamente o trecho entre a casa e o restaurante em que trabalhava de bicicleta elétrica. Na maioria das vezes, a irmã Silvania, que também trabalha como auxiliar de cozinha no mesmo local, a acompanhava na garupa. A bike elétrica de Silvania tinha farol e lanternas traseiras, mas ela estava sem capacete. Silvania conta que esse era o próximo equipamento que ela compraria. “Ainda não tinha dado para ela comprar capacete, mesmo assim com a velocidade que essa pessoa a atropelou dificilmente algo ajudaria”, disse.

Também dona de uma bicicleta elétrica e colega das irmãs Bridi no restaurante, Bárbara Regina Figueiredo, 30 anos, deixará de usar a bicicleta com o meio de transporte por uns tempos. Também assustado estava o ajudante de pedreiro Jairo Jesus Santos, 27, que passa diariamente pelo local onde Simoni morreu. “Os carros andam muito rápido e não respeitam o acostamento, muitas vezes”, disse. Responsável pelas fiscalizações e ocorrências na SC-401, a Polícia Militar Rodoviária Estadual informou que não há registros envolvendo a morte da ciclista e que, portanto, é possível que a equipe de plantão não tenha sido avisada sobre o acidente. 

Motorista que atropelou Róger Bittencourt terá pedido de habeas corpus julgado

Há poucos quilômetros do local em que morreu Simoni, menos de um mês atrás o jornalista e ciclista Róger Bittencourt foi atropelado e morreu. Nesta terça-feira (26), o julgamento de um pedido de habeas corpus pode colocar o motorista Gustavo Raupp Schardosin, réu por homicídio qualificado, novamente em liberdade.

Schardosim assumiu que bebeu antes de dirigir, e foi preso em flagrante no local do acidente. A Justiça aceitou denúncia e ele responderá pelos crimes de homicídio qualificado consumado e tentado. O julgamento ocorrerá a partir das 9h, obedecendo uma pauta que tem mais de 50 outros processos para serem julgados, na 3ª Câmara Crime da Capital. O pedido em liminar foi feito inicialmente em 13 de janeiro, mas o desembargador Ernani Guetten de Almeida derrubou a liminar e a decisão será submetida ao colegiado do Tribunal.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...