Polícia conclui inquérito e indicia suspeito de matar jovem a machadadas em Chapecó

Atualizado

A Polícia Civil deve concluir, ainda nesta segunda-feira (15), o inquérito criminal que apura a morte de Lindamira Teixeira Bandeira, de 21 anos, no Distrito de Marechal Bormann, em Chapecó, no Oeste catarinense. A mulher foi morta na madrugada do dia 24 de junho com três golpes de machado. O suspeito do crime é o ex-companheiro da jovem.

Jovem foi encontrada morta em casa – Chapeco.org/Reprodução

O inquérito foi instaurado ainda no dia do crime. Segundo o delegado de polícia, Vagner Papini, da DIC (Divisão de Investigação Criminal), o ex-companheiro de Lindamira será indiciado por homicídio qualificado, feminicídio e por ter impossibilitado a defesa da vítima. As duas qualificadoras podem resultar em uma pena de 12 a 30 anos de prisão.

Leia também:

O suspeito, de 35 anos, se entregou à polícia e confessou o crime, no dia 2 de julho. Ele foi levado ao Complexo Prisional de Chapecó, onde permanece à disposição da justiça. Os materiais coletados pela Polícia Civil serão enviados ao Poder Judiciário, ainda na tarde desta segunda, que dará vistas ao Ministério Público.

O laudo do IML (Instituto Médico Legal) contrariou a suspeita da investigação que dava conta que a vítima era gestante quando foi assassinada.

Lindamira foi morta enquanto dormia. O corpo foi encontrado pela mãe da jovem, no início da manhã, por volta das 6h30. O casal tinha junto um filho de 4 anos, que estava na casa de uma tia na madrugada do crime. A arma utilizada no feminicídio foi deixada no quintal da residência, que fica localizada a cerca de 13 quilômetros do centro do município.

De acordo com a Polícia Civil, havia dois meses que o casal estava separado e fazia cerca de uma semana que não estava mais morando junto. Brigas recorrentes teriam motivado a separação. A família afirmou à polícia que o homem tem problemas com álcool e é agressivo. Apesar das ameaças, Lindamira não chegou a registrar boletim de ocorrência.

Polícia