Polícia Federal mira em Collor por esquema de lavagem de R$ 6 milhões

Atualizado

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta sexta (11), a Operação Arremate, para investigar um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo compras de imóveis em leilões públicos.

A ação apura suposto envolvimento do senador e ex-presidente Fernando Collor (PROS-AL) em arrematações de bens, cujos valores, segundo a PF, somam R$ 6 milhões.

Cerca de 70 policiais federais cumprem 16 mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao senador em Maceió (AL) e em Curitiba (PR).

As ordens foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). Os crimes teriam ocorrido a partir da compra de imóveis em hastas públicas em 2010, 2011, 2012 e 2016.

Operação Arremate agiu em endereços ligados ao senador  – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/ND

Hasta é um ato da justiça pelo qual são vendidos bens de um devedor, para que, com o dinheiro da venda, possa-se pagar a um credor e as custas de um processo de execução de dívida.

Collor teria usado “testa de ferro”

A corporação diz que o senador teria utilizado uma pessoa interposta (“testa-de-ferro”) para ocultar sua participação como beneficiário final das operações.

“As compras serviriam para ocultar e dissimular a utilização de recursos de origem ilícita, bem como viabilizar a ocultação patrimonial dos bens e convertê-los em ativos lícitos”, diz a Polícia Federal.

No conjunto de ilícitos em apuração estão os crimes de lavagem de ativos, corrupção ativa, corrupção passiva, peculato e falsificações, além de integrar organização criminosa.

Defesa

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa e com o gabinete do senador. O espaço está aberto para manifestações.

Mais conteúdo sobre

Política