Polícia prende padrasto da bebê que morreu vítima de maus-tratos em Xanxerê 

Atualizado

A Polícia Civil prendeu neste domingo (16) o padrasto da bebê que morreu vítima de maus-tratos, na última sexta-feira (14), em Xanxerê, no Oeste de Santa Catarina. A menina tinha nove meses.

Caso ocorreu na manhã desta sexta-feira – Foto: Divulgação/ND

De acordo com o delegado da DPCAMI (Delegacia de Proteção à Criança, Mulher e Idoso), Danilo da Silva Fernandes, o homem tem 23 anos e está preso preventivamente. 

A prisão ocorreu depois que o delegado fez contato com a defesa do rapaz, com quem ele se apresentou na Delegacia da Polícia Civil. O mandado de prisão preventiva foi decretado ainda na sexta-feira. 

No interrogatório o jovem negou envolvimento na morte da menina. Contudo, segundo o delegado, o rapaz foi conduzido ao Presídio Regional de Xanxerê. 

A mãe da bebê, de 17 anos, foi internada na sexta-feira no Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório, em Xanxerê. 

Leia também:

Investigação 

O delegado diz foram instaurados dois procedimentos para investigar o envolvimento do casal na morte da bebê. Ambos os documentos serão concluídos esta semana, após o resultado dos laudos periciais.

Prisão do padastro ocorreu na tarde deste domingo (16)  – Foto: Polícia Civil/Divulgação/ND

“O auto de apuração foi para apurar o envolvimento da mãe, que é adolescente. O inquérito policial é para apurar a participação do namorado dela, que morava junto”, diz Danilo. Eles estavam juntos há dois meses. 

A investigação também apura os maus tratos contra um menino, de 3 anos, também filho da adolescente. 

Segundo o delegado, o garoto foi socorrido com ferimentos pelo corpo e também foi internado no hospital, em Xanxerê, mas passa bem. O menino deve ficar aos cuidados do Conselho Tutelar. 

Morte da bebê 

A bebê morreu depois de dar entrada no Hospital Regional São Paulo, em Xanxerê. A menina foi levada pelo Corpo de Bombeiros Militar até a unidade de saúde.

De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar, os socorristas foram acionados por volta das 7h30 com a informação de que a criança estaria afogada. No local, no entanto, eles constataram sinais de maus tratos. 

“Tinha alguns sinais que levantaram suspeita, como queimaduras nos pés, uma já cicatrizada, outra mais recente e diversos hematomas pelo corpo. Nós também verificamos afundamento craniano, um possível TCE”, contou o cabo dos bombeiros, Felipe Corrêa.

A bebê foi socorrida e levada ao hospital para atendimento médico, mas morreu na unidade de saúde devido à gravidade dos ferimentos. 

A mãe da criança acompanhou o socorro da filha.

Polícia