Ponte Hercílio Luz será usada por pedestres, transporte público e bicicletas, diz prefeito

Atualizado

Com previsão de término da reforma estimada em dezembro de 2019,  a utilização da Ponte Hercílio Luz, tradicional símbolo arquitetônico de Florianópolis, já está definida e deve priorizar as pessoas e o transporte coletivo, além do uso de bicicletas.

Para o prefeito Gean Loureiro (MDB), “não adianta liberar imediatamente o tráfego para carros porque irá gerar novos pontos de congestionamento”. A ideia é dar prioridade ao transporte coletivo para atrair as pessoas para esse modal e conseguir dar mais velocidade ao trânsito. “Também devemos priorizar as bicicletas e, nos finais de semana, usá-la apenas como referência turística, com atividades culturais como largadas de maratonas, corridas de bicicleta, ou seja, transformar verdadeiramente a ponte para que seja muito mais que um símbolo, uma realidade turística de Santa Catarina”, defende.

A proposta, que já teria sido discutida com a sociedade, foi revelada nesta quarta-feira (23) pelo prefeito Gean Loureiro, após sua primeira reunião com o secretário estadual de Infraestrutura e Mobilidade, Carlos Hassler, na terça (22), para pedir mais agilidade em obras nas rodovias estaduais que cortam o município, como a SC-401 e a SC-404.

Segundo o prefeito, durante o encontro o secretário  teria afirmado que o governo do Estado está preocupado com a construção e a entrega da obra da ponte no prazo acertado, que é dezembro de 2019. Já o uso e a definição do que será feito no entorno, é com a prefeitura.

Andamento da reforma

No dia 18 deste mês, o secretário estadual de Infraestrutura, Carlos Hassler, apresentou um cronograma financeiro da obra de recuperação da ponte Hercílio Luz, durante reunião do Comdes (Conselho Metropolitano de Desenvolvimento da Grande Florianópolis).

Segundo o secretário, faltam aplicar R$ 115,7 milhões para o término da obra. Hassler adiantou que ainda este mês será assinada a ordem de serviço para que a empresa portuguesa Teixeira Duarte faça o reforço das estruturas que sustentam a ponte, através de um contrato emergencial, ao custo de R$ 3,1 milhões (já incluídos nos 115,7 milhões).

Também foram apresentadas as estimativas de gastos com a manutenção da ponte, após a conclusão da reforma. De acordo com o levantamento da secretaria de Infraestrutura e Mobilidade, seriam necessários R$ 1,8 milhões por ano para inspeção e manutenção da parte metálica e R$ 15 milhões para fazer uma pintura a cada 15 anos para proteger e evitar a corrosão da estrutura.

Melhorias na SC-401 e SC-404

A reunião desta terça com o secretário também serviu para a prefeitura pressionar o governo estadual a agilizar obras de infraestrutura importantes para a cidade, como a revitalização da SC-401, do trecho que vai do cemitério do Itacorubi até a entrada de Jurerê, na SC-402. “Essa obra já foi licitada no valor de R$ 33 milhões e deve durar 1 ano e meio com trabalhos executados à noite para não atrapalhar o trânsito. “A sociedade não pode mais esperar, por isso estamos pressionando para que o governo do Estado libere a ordem de serviço e a empresa possa iniciar a obra”, afirma Loureiro.

Rodovia SC-401, em Florianópolis - Marco Santiago/ND
Rodovia SC-401, em Florianópolis – Marco Santiago/ND

Já na SC-404, que é a rodovia Admar Gonzaga, há necessidade de duplicação da rodovia, no percurso entre o cemitério do Itacorubi até a subida do morro da Lagoa. “Fizemos um estudo de mobilidade nesse trecho, já que ele absorve todo o trânsito que vem da Bacia do Itacorubi (bairros Córrego Grande, Parque São Jorge e até Trindade) e do fluxo que vem do leste (Lagoa e Barra da Lagoa) e tudo afunila naquela região”, diz o prefeito.

“É uma rodovia que já tem os afastamentos necessários e apenas três desapropriações a serem executadas. Como o governo não tomou a decisão, propusemos que a prefeitura custeasse o projeto da duplicação da SC-404, estimado em cerca de meio milhão de reais”, revela Loureiro. Assim,  ficou acordado que a prefeitura realizará o projeto e quando ele estiver pronto para ser licitado, uma nova reunião deve acontecer com o governo do Estado.

Jornalismo

Nenhum conteúdo encontrado

Ponte Hercílio Luz será usada por pedestres, transporte público e bicicletas, diz prefeito

Com previsão de término da reforma estimada em dezembro de 2019,  a utilização da Ponte Hercílio Luz, tradicional símbolo arquitetônico de Florianópolis, já está definida e deve priorizar as pessoas e o transporte coletivo, além do uso de bicicletas.

Para o prefeito Gean Loureiro (MDB), “não adianta liberar imediatamente o tráfego para carros porque irá gerar novos pontos de congestionamento”. A ideia é dar prioridade ao transporte coletivo para atrair as pessoas para esse modal e conseguir dar mais velocidade ao trânsito. “Também devemos priorizar as bicicletas e, nos finais de semana, usá-la apenas como referência turística, com atividades culturais como largadas de maratonas, corridas de bicicleta, ou seja, transformar verdadeiramente a ponte para que seja muito mais que um símbolo, uma realidade turística de Santa Catarina”, defende.

A proposta, que já teria sido discutida com a sociedade, foi revelada nesta quarta-feira (23) pelo prefeito Gean Loureiro, após sua primeira reunião com o secretário estadual de Infraestrutura e Mobilidade, Carlos Hassler, na terça (22), para pedir mais agilidade em obras nas rodovias estaduais que cortam o município, como a SC-401 e a SC-404.

Segundo o prefeito, durante o encontro o secretário  teria afirmado que o governo do Estado está preocupado com a construção e a entrega da obra da ponte no prazo acertado, que é dezembro de 2019. Já o uso e a definição do que será feito no entorno, é com a prefeitura.

Bases de sustentação da ponte Hercílio Luz precisam de reparos - Foto: Flávio Tin/ND
Bases de sustentação da ponte Hercílio Luz precisam de reparos – Foto: Flávio Tin/ND

 

Andamento da reforma

No dia 18 deste mês, o secretário estadual de Infraestrutura, Carlos Hassler, apresentou um cronograma financeiro da obra de recuperação da ponte Hercílio Luz, durante reunião do Comdes (Conselho Metropolitano de Desenvolvimento da Grande Florianópolis).

Segundo o secretário, faltam aplicar R$ 115,7 milhões para o término da obra. Hassler adiantou que ainda este mês será assinada a ordem de serviço para que a empresa portuguesa Teixeira Duarte faça o reforço das estruturas que sustentam a ponte, através de um contrato emergencial, ao custo de R$ 3,1 milhões (já incluídos nos 115,7 milhões).

Também foram apresentadas as estimativas de gastos com a manutenção da ponte, após a conclusão da reforma. De acordo com o levantamento da secretaria de Infraestrutura e Mobilidade, seriam necessários R$ 1,8 milhões por ano para inspeção e manutenção da parte metálica e R$ 15 milhões para fazer uma pintura a cada 15 anos para proteger e evitar a corrosão da estrutura.

Melhorias na SC-401 e SC-404

A reunião desta terça com o secretário também serviu para a prefeitura pressionar o governo estadual a agilizar obras de infraestrutura importantes para a cidade, como a revitalização da SC-401, do trecho que vai do cemitério do Itacorubi até a entrada de Jurerê, na SC-402. “Essa obra já foi licitada no valor de R$ 33 milhões e deve durar 1 ano e meio com trabalhos executados à noite para não atrapalhar o trânsito. “A sociedade não pode mais esperar, por isso estamos pressionando para que o governo do Estado libere a ordem de serviço e a empresa possa iniciar a obra”, afirma Loureiro.

Rodovia SC-401, em Florianópolis - Marco Santiago/ND
Rodovia SC-401, em Florianópolis – Marco Santiago/ND

 

Já na SC-404, que é a rodovia Admar Gonzaga, há necessidade de duplicação da rodovia, no percurso entre o cemitério do Itacorubi até a subida do morro da Lagoa. “Fizemos um estudo de mobilidade nesse trecho, já que ele absorve todo o trânsito que vem da Bacia do Itacorubi (bairros Córrego Grande, Parque São Jorge e até Trindade) e do fluxo que vem do leste (Lagoa e Barra da Lagoa) e tudo afunila naquela região”, diz o prefeito.

“É uma rodovia que já tem os afastamentos necessários e apenas três desapropriações a serem executadas. Como o governo não tomou a decisão, propusemos que a prefeitura custeasse o projeto da duplicação da SC-404, estimado em cerca de meio milhão de reais”, revela Loureiro. Assim,  ficou acordado que a prefeitura realizará o projeto e quando ele estiver pronto para ser licitado, uma nova reunião deve acontecer com o governo do Estado.

*Com informações da RIC TV Record

Cidade