Operação de transferência de carga devolve configuração original à ponte Hercílio Luz

Macacos hidráulicos cumpriram o papel ao erguer a ponte em 54,3 centímetros. Foto: Flávio Tin/ND     

Se o tempo colaborar, a ponte Hercílio Luz volta a ser sustentada pelas barras de olhal e os cabos pendurais a partir de sexta-feira, 7 de junho, retomando a configuração original. A partir das 22h de segunda-feira (3) está programada a operação de transferência de carga de 80% da estrutura, que atualmente está apoiada sobre estruturas provisórias construídas exclusivamente para a reforma.

O trabalho vai acontecer ao longo de quatro noites consecutivas, caso haja condições meteorológicas favoráveis. Ao fim do processo, 80% do peso da ponte voltará a ser sustentado pela própria estrutura. É um dos momentos mais importantes do trabalho de recuperação do cartão postal. “Será o coroamento de meses de cálculos e planejamento técnico para que efetivamente a ponte possa estar funcionando da forma como ela foi projetada. Por enquanto, temos uma ponte apoiada sobre uma espécie de cavalete. A partir dessa transferência de carga, que ainda não é de 100%, ela volta a ficar apoiada sobre a estrutura normal de estaiamento”, explicou o secretário de Estado de Infraestrutura, Carlos Hassler.

A mudança na posição da ponte será imperceptível, uma vez que a troca de sustentação implica na movimentação de centímetro. Diferente da primeira transferência de carga realizada em outubro de 2017, desta vez não haverá interrupções no trânsito. Apenas o canal marítimo abaixo da ponte será fechado durante a operação, que tem um plano de contingência já alinhado com a Defesa Civil e demais órgãos de segurança.

“Já entramos em contato com a Marinha, que estará nos apoiando no controle do tráfego marítimo. O grau de segurança dessa operação é muito alto, o risco de qualquer incidente é mínimo, porque conhecemos bem a estrutura da ponte”, completou Hassler. A operação foi definida na última quarta-feira em reunião dos técnicos da empresa Teixeira Duarte e do Deinfra. Também participaram do encontro os representantes do Corpo de Bombeiros, da Marinha, da Guarda Municipal, da Polícia Militar e da ACE (Associação Catarinense de Engenheiros).

A preparação para a operação de transferência de carga começou no dia 15 de maio, com a fixação e tensionamento dos 16 cabos pendurais – oito de cada lado da ponte – e o abaixamento da trelhiça central sobre as torres provisórias.  As barras de olhal estão fixadas na trelhiça central e foram tracionadas nessa fase de preparação para a transferência de carga.

Após o trabalho de transferência de carga será iniciada a montagem do tabuleiro sobre o vão central da ponte. Parte do tabuleiro já está sendo instalada nas duas extremidades da ponte. Só o tabuleiro cobrirá uma área de 7,9 mil metros quadros, acrescendo um peso de 1 mil toneladas sobre a estrutura. A última etapa da reforma prevê a retirada das estruturas provisórias que sustentaram a ponte durante a substituição das barras de olhal e dos cabos pendurais.

Primeira operação foi realizada em quatro dias

A primeira operação de transferência de 80% da carga da Ponte Hercílio Luz começou no dia 9 de outubro de 2017 e foi encerrada quatro dias depois, dia 13, antes do tempo previsto, uma vez que os técnicos chegaram a estimar 15 dias para realização do trabalho. Na ocasião, o acesso do lado insular da ponte foi fechado, assim como o canal de navegação..

A transferência de carga era necessária para que o peso da obra original fosse depositado de forma gradativa sobre a estrutura provisória construída abaixo da ponte exclusivamente para a realização da restauração, e posterior substituição das barras de olhal, que sustentam o peso da ponte juntamente com os cabos pendurais.  A operação era considerada a etapa mais sensível da obra, pois todo o peso da Hercílio Luz ficou apoiado em estruturas provisórias construídas embaixo da ponte.

Para realizar a operação, os técnicos da empresa Teixeira Duarte utilizaram macacos hidráulicos que ergueram 80% da carga de ponte em 54,3 centímetros, mais de um centímetro a mais da meta prevista inicialmente. Nas quatro operações realizadas entre os dias 9 e 13 de outubro, a ponte foi erguida quatro vezes de forma sucessiva: 8,7 centímetros no dia 9; mais 10,9 cm no dia 10; e outros 10, 7 cm nos dias 12 e 13, respectivamente. Anteriormente, em fevereiro de 2017, o vão central já havia sido içado por 13 centímetros, totalizando os 54,3 centímetros.

Os trabalhos de transferência foram realizados sempre à noite, para evitar influências térmicas. Feita a transferência, os operários iniciaram em novembro a desmontagem das barras de olhal, ação que alterou significativamente o visual do cartão postal da Capital. Novas barras de olhal foram especialmente confeccionadas para a obra e desembarcaram em Florianópolis em junho de 2018, quando começaram a serem montadas novamente.

Juntas, as barras de olhal representam 40% do peso da estrutura. Além dos técnicos e engenheiros do Deinfra e da empresa Teixeira Duarte, responsável pelos trabalhos, a operação foi acompanhada pelo então governador Raimundo Colombo.

Infraestrutura