Por que bioética?

Divulgação/ND

Carlos José Serapião, médico coordenador do Instituto Dona Helena de Ensino e Pesquisa
serapiao@donahelena.com.br

A bioética está associada com os esforços, as falhas e as culturas humanas, como pleno reconhecimento de que diferentes culturas interagem diferentemente em seu ambiente natural e social.

Incalculáveis contribuições e ideias floresceram no final do século passado, apoiadas nos pilares filosóficos de todos os tempos, com a participação da bioética, em cada e em todos os países, que seriam julgadas pelos historiadores como “eventos cruciais na história humana”, nos convidando a nos debruçar sobre os profundos mistérios relativos à vida, ao universo e ao próprio ser humano.

Já se duvida do sonho de emancipação dos cidadãos, da sua realização espiritual, de uma sociedade sem classes e outras tantas utopias a que se recorria num passado bem próximo, para legitimar e criticar os saberes e as ações. Observa-se, isso sim, uma virtualização do real em proporções jamais imaginadas.

O 15º Simpósio Catarinense de Bioética, que será realizado nesta sewxta-feira no Hospital Dona Helena, vai apresentar temas que se inserem nessas discussões, e está destinado a provocar reflexões absolutamente inéditas.

O aprimoramento da performance humana, como tema principal, criará oportunidade para serem expostos numerosos aspectos da natureza humana, centrada em importantes debates a respeito da ética do aprimoramento biomédico.

Como um exemplo, pode ser citada a vulnerabilidade dos seres humanos, que os condiciona a serem criaturas que sofrem, envelhecem e morrem, além do fato de, como uma espécie inserida na natureza, ter sua “evolução” condicionada por barreiras naturais.

Por outro lado, esse aprimoramento se compõe de reais intervenções que visam a aumentar as potencialidades do corpo humano e se situam no território de ações biomédicas, resultantes da “convergência de tecnologias”, expressão que se refere a uma combinação transdisciplinar e sinérgica de quatro grandes áreas da ciência e da tecnologia (nano-bio-info-cogno), cada uma em pleno, atual e rápido progresso: a nanotecnologia, a biotecnologia –em especial a engenharia genética, a informática e a neurociência cognitiva.

A dúvida é uma virtude intelectual. O convite para debater o contraditório cria a oportunidade para a construção de novos saberes.

Loading...