Campanha e ações sensibilizam população sobre importância da adoção e cuidados com pets

Atualizado

Campanha sensibiliza população sobre a importância da adoção e atenção aos pets – Fotos PMF/Divulgação/ND

O Brasil tem mais de 78 milhões de cães e gatos. Destes, quase 4 milhões vivem nas ruas, aponta pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Com a proximidade das festas de fim de ano e as férias durante o verão, o número de animais abandonados, furtados e atropelados aumenta na capital catarinense, assim como em todo o país.

Muita gente vai viajar e, sem ter com quem deixar os animais, os deixa na rua. Para sensibilizar a população sobre a importância de diminuir esses números, ajudar a encontrar famílias e ampliar o espaço para resgatar mais animais das ruas, a Prefeitura de Florianópolis divulga neste mês, por meio da Dibea (Diretoria de Bem-Estar Animal), a campanha Não é você quem adota.

“Esta é uma época de amor, de união, e esperamos que essas ações possam tocar o coração de cada um e que possamos levar a mensagem de adoção para frente”, afirma o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro.

De janeiro a novembro deste ano, a Dibea já resgatou dos maus-tratos 292 animais, recebeu cerca de 800 denúncias, atendeu gratuitamente em seu consultório cerca de 2000 animais e realizou 3.269 castrações. Ainda neste período, 230 animaizinhos receberam um novo lar e passaram pelo processo de adoção responsável.

Foram muitas as ações e projetos realizados em 2019 pelo município em prol dos nossos patudos como o atendimento veterinário gratuito, as castrações, a nova estrutura do Centro de Atendimento à Saúde Animal e a utilização de drones para fiscalizar maus-tratos.

Animais ficam mais vulneráveis no fim do ano

De acordo com Fabricia Costa, diretora da Dibea, no final do ano com as festas e as saídas para as praias as pessoas ficam mais tempo ausentes das casas e os cães e gatos ficam mais vulneráveis. “Esquecem o portão aberto ou as janelas, no caso dos gatos. É a famosa voltinha na rua, porém, com o aumento de carros de turistas ocorrem os atropelamentos, que aumentam em pelo menos 70% nessa época. Para os cães em situação de rua o custo fica para os cofres públicos. E para os animais com tutores o custo pesa no bolso e sem falar no sofrimento dos animais, que passam por cirurgias tão delicadas e doloridas e, em alguns casos, o óbito dos animais é inevitável”, afirma.

Denise orienta a deixar os animais seguros, nunca preso em correntes, ou confinados. “O correto é colocar os animais em ambientes seguros com casinhas, onde podem se sentir protegidos. Monitorar as visitas e não deixar muito tempo sozinhos… são atitudes quem podem evitar uma grande dor de cabeça”, acrescenta.

A médica veterinária Daniela Pierozan reforça que a quantidade de animais perdidos na rua nesse período do ano é bem maior. “Isso ocorre não apenas pelo abandono, mas muitos animais acabam fugindo e se perdendo por causa dos fogos”, explica.

Para evitar que os bichinhos acabem nas ruas, ela destaca ainda que é preciso considerar que adotar um animal é um compromisso para os próximos 15 anos, no mínimo. “Neste tempo muita coisa pode ocorrer. As pessoas se mudam para outra cidade, assumem novos relacionamentos. É preciso considerar que, em todas estas etapas da vida, o animal terá que estar presente”, diz.

Pensar que um bichinho dura de dez a mais de 15 anos. O que vou fazer daqui a 15 anos? Relacionamentos, mestrado, vão mudar de cidade, cursos, mudanças da vida, e o bichinho tem que ser levado em consideração e ser levado junto em todas essas etapas, o animal tem que estar junto. Pensar em tudo isso e importante antes de considerar a adoção.

Até essa quinta-feira, os interessados podem escolher um novo amigo na Árvore da Adoção, no Floripa Shopping – PMF/Divulgação/ND

Árvore do bem

Até a próxima quinta-feira (26), os interessados em adotar um animal podem escolher um bichinho na Árvore de Adoção, que fica no Floripa Shopping. Cem cachorrinhos e 50 gatos já decoram a arvore e esperam por um novo lar. Para encontrar o novo bichinho de estimação,
basta ir até a árvore, olhar os cartões fotos que trazem informações sobre o pet e escolher aquele que toca o seu coração. A partir daí, o candidato à adoção deve se dirigir à Dibea e conhecer o animalzinho de perto. As regras são as mesmas da adoção responsável: ser morador de Florianópolis, passar por uma entrevista e vistoria de residência.

A Dibea fornece todas as informações para os interessados em adotar um animal on-line, no endereço adote.pmf.sc.gov.br/indAlgumas ex.php.

Neste ano, alguns animais resgatados que já recebiam tratamentos veterinários convencionais , passaram a fazer também sessões de acupuntura e outras terapias alternativas – PMF/Divulgação/ND

Área para soltura dos animais

Os animais da Diretoria de Bem-Estar Animal também terão um espaço para a soltura, onde poderão interagir uns com os outros, em meio a árvores e brinquedos, em 2020. As obras já começaram, após ser realizada a reintegração de posse de local ocupado irregularmente em novembro deste ano

A casa onde os bichinhos serão soltos estava localizada dentro da Dibea e, por muitos anos, foi uma ocupação irregular. Com todo o empenho da Prefeitura Municipal de Florianópolis, Secretaria de Saúde, Procuradoria do Município e Diretoria do Bem-Estar Animal, hoje o local pode ser reintegrado de forma amigável. O espaço deve ficar pronto já no início do próximo ano.

Terapias alternativas para o tratamento

Ainda em 2019, alguns animais resgatados que já recebiam tratamentos veterinários convencionais em Florianópolis, na Dieba, passaram a fazer também sessões de acupuntura e outras terapias alternativas – como moxabustão (que consiste em aquecer a região afetada através da queima de ervas medicinais), cromoterapia (que energiza o organismo utilizando as cores do espectro solar) e a aromaterapia (que trata doenças utilizando óleos essenciais).

O acompanhamento de animais como o “vovô” Rodolfo é feito pela médica veterinária Roberta Mounayer, da Bicho da Mandala, que, semanalmente, realiza sessões de acupuntura.

A acupuntura é utilizada para diversas doenças por meio da aplicação de agulhas em pontos específicos (acupontos). Com ela é possível equilibrar o organismo dos bichos de modo menos invasivo, mas muito eficiente. A técnica é indicada para tratar dores crônicas ou agudas, paralisias, sequelas de cinomose, doenças neurológicas, renais ou dermatológicas, doenças oesteomusculares (como displasia coxofemural e artrose), pós-cirúrgico e para aliviar problemas da idade, melhorando a qualidade de vida em animais idosos.

O tratamento com acupuntura oferecido aos animais da Dibea é complementado com outras técnicas que pretendem restaurar o equilíbrio físico e emocional dos pacientes. As técnicas utilizadas têm como grande benefício, além dos resultados, obviamente, a potencial suspensão do tratamento com medicamentos alopáticos, que muitas vezes são caros e apresentam diversas contraindicações e efeitos colaterais. “A terapia natural equilibra o corpo e a mente dos animais resgatados, fazendo com que o corpo deles seja capaz de promover a autocura”, diz Fabricia Costa.

Orientações da Dibea para quem procura um novo amigo:

  • As adoções são apenas para maiores de 18 anos e moradores do município de Florianópolis.
  • O processo de adoção passa por cadastro de intenção, análise, entrevista e visita na residência do adotante.
  • Não é possível garantir o animal escolhido na plataforma esteja disponível na entrega dos documentos na Diretoria de Bem Estar Animal, devido a rotatividade de adoções. Por isso é tão importante que todos documentos sejam entregues o quanto antes no órgão.

Conforme determina a Lei Municipal nº 10.199, de 27 de março de 2017, a Prefeitura Municipal de Florianópolis informa que a produção deste conteúdo não teve custo, e sua veiculação custou R$2.000,00 reais neste portal.

Prefeitura de Florianópolis