Prefeitura substitui tubulação no Novo Campeche e promete fiscalizar esgoto irregular

Atualizado

Um problema crônico localizado na entrada do Novo Campeche, no Sul da Ilha, está próximo de ser resolvido pela Prefeitura de Florianópolis. Nesta terça-feira (13), uma empresa contratada pelo município começou a substituir a tubulação da galeria de rede pluvial que estava danificada e havia sido trancada pela própria prefeitura para evitar danos maiores na entrada do bairro.

Obras na rua Nicolau José de Abreu, no Novo Campeche – Flavio Tin/ND

Com a interrupção do sistema de drenagem, a caixa da galeria de água pluvial encheu e transbordou devido ao despejo irregular de esgoto. Desde então, um líquido escuro e mau cheiroso passou a correr a céu aberto pela sarjeta da rua Nicolau João de Abreu, a via de entrada do bairro.

Obras na rua Nicolau José de Abreu, no Novo Campeche – Flavio Tin/ND

Bilck conta que o assoreamento provocou buracos ao longo da rua Nicolau João de Abreu. “Quando abrimos para ver o que estava acontecendo, a tubulação estava totalmente danificada e o buraco na verdade era uma cratera”. O buraco foi tapado pela prefeitura, mas dois dias depois um novo buraco abriu e quase ocasionou a queda do muro de uma residência.

Para evitar danos maiores, a tubulação foi trancada. “Acionamos a secretaria municipal de Infraestrutura, que precisou contratar uma empresa através de licitação, por isso a demora”, justificou. A empresa contratada pela prefeitura iniciou a substituição da tubulação no início da manhã.

Obras na rua Nicolau José de Abreu, no Novo Campeche – Flavio Tin/ND

Com 40 centímetros de diâmetro, os canos danificados foram substituídos por maiores, de 60 centímetros de diâmetro. Além disso, todo o esgoto acumulado na caixa da galeria fluvial foi retirado com auxílio de caminhões limpa fossa, totalizando cerca de 25 mil litros.

Mesmo sem chover nos últimos dias, a caixa da galeria de água pluvial continuava a receber o despejo irregular de esgoto durante a operação do esvaziamento. Porém, a fiscalização só poderá flagrar o local de origem do despejo irregular do esgoto com o esvaziamento total da caixa. “Quando esvaziarmos aqui, vamos fazer uma grande operação para tentar identificar de onde vem esse esgoto que é despejado de forma irregular para resolver o problema”, prometeu Bilck.

Infraestrutura