Prefeituras de Florianópolis e Balneário Camboriú pedem ajuda do Exército contra Aedes aegypti

Secretaria de Saúde de SC ainda fez compra emergencial de 25.920 testes para diagnóstico da dengue, sendo que 4.800 deles devem chegar nesta semana

Diante do risco de aumento de casos de dengue, febre chikungunya e zika vírus, todos transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti, as prefeituras de Florianópolis e Balneário Camboriú solicitaram auxílio do Exército para vistoriar e eliminar criadouros nas duas cidades. Os pedidos estão em análise no Ministério da Defesa, e a possível vinda dos militares será essencial para que ambos os municípios consigam vencer as metas estabelecidas pelas prefeituras para combater as larvas em pontos com infestação. Na Capital, até 12 de fevereiro as equipes terão que vistoriar 41.326 imóveis nos bairros Capoeiras, Coloninha, Monte Cristo e Canasvieiras. Enquanto a ajuda do Exército não chega, o trabalho é realizado pelas equipes da Vigilância Epidemiológica.

Bruno Ropelato/ND

Em Florianópolis, piscina da passarela Nego Quirido está fechada há anos e segue cheia de água

Em paralelo, a secretaria de Saúde de Santa Catarina fez uma compra emergencial de 25.920 testes para diagnóstico da dengue, sendo que 4.800 deles devem chegar ao Estado até quarta-feira, 3. Com a chegada dos kits, que tiveram distribuição interrompida desde outubro pelo Ministério da Saúde, o Lacen/SC (Laboratório Central de Saúde Pública) espera colocar em dia as mais de 1.000 amostras que aguardam diagnóstico. “Compramos 25.920 testes, mas conforme nossa necessidade receberemos inicialmente 4.800 testes, até para não termos problemas com a data de validade. Os produtos já deveriam ter chegado hoje (no dia 1º), e o prazo final da empresa é quarta-feira”, explicou a gerente técnica de biologia médica do Lacen/SC, Cristine Ferreira.

A reportagem enviou questionamentos ao Ministério da Saúde para saber as razões de a entrega dos insumos ter atrasado, mas até o fechamento desta edição não houve retorno. Cristine diz que o órgão prometeu normalizar o envio a partir deste mês. Com a compra emergencial feita pela Saúde estadual e a possível normalização das entregas pelo governo federal, Cristine acredita que será possível ter testes garantidos até o final de 2016.

Nesta terça-feira, 2, a Dive (Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde) divulgará dados atualizados das três enfermidades no Estado. Na semana passada, foi confirmado um caso de Zika Vírus em uma gestante residente em Brusque. De acordo com o relatório publicado na semana passada, o Estado tem 9 casos confirmados de dengue neste ano e 525 suspeitos. No período de 1º a 23 de janeiro de 2016, foram notificados 31 casos suspeitos de febre do zika vírus em Santa Catarina. Destes, 4 (13%) foram confirmados, 3 (10%) foram descartados e 24 (77%) permanecem em investigação.

Em Florianópolis, uma piscina semiolímpica da passarela do samba Nego Quirido, fechada há anos e que segue cheia de água, causa preocupação neste momento de combate mais intenso ao mosquito. A Secretaria de Saúde, por meio de sua assessoria, assegura que equipes da Vigilância Epidemiológica visitam o local a cada 15 dias desde o ano passado. Ainda segundo a assessoria, a secretaria de Obras, responsável pela piscina, “foi orientada e faz o tratamento da água com cloro semanalmente”.

Ministério vai capacitar bioquímicos

O Lacen/SC só faz exames para diagnóstico da dengue. Os de febres chikungunya e zika vírus são realizados na Fundação Oswaldo Cruz (PR) e Instituto Adolfo Lutz (SP), respectivamente. Os tempos médios para liberação dos resultados dos exames são de 30 dias, no caso da febre do chikungunya, e de 20 dias o da zika. O Lacen/SC não tem ingerência sobre estes prazos. Em relação à dengue, o tempo médio para liberação dos resultados no Lacen/SC é de três a cinco dias.

Segundo o Ministério da Saúde, ainda neste mês haverá uma capacitação de bioquímicos para o diagnóstico de chikungunya e zika, e o Lacen está incluído entre os laboratórios contemplados com o treinamento. “Muito em breve não precisaremos encaminhar as amostras a outros estados, uma vez que estes exames serão realizados no Lacen/SC”, explica Cristine Ferreira.

COMO AJUDAR

– Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usar, coloque areia até a borda;
– Guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
– Mantenha lixeiras tampadas;
– Deixe os depósitos para guardar água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
– Plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
– Trate a água da piscina com cloro e limpe uma vez por semana;
– Mantenha ralos fechados e desentupidos;
– Lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
– Retire a água acumulada em lajes;
– Dê descarga no mínimo uma vez por semana em banheiros pouco usados;
– Mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
– Evite acumular entulho, pois pode se tornar foco do mosquito da dengue;
– Denuncie a existência de possíveis focos à Secretaria Municipal de Saúde

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...