Prejuízos com safra da tainha não se limitam a pescadores e atingem em cheio o comércio

Não foram apenas os pescadores que tiveram prejuízo na safra 2019 da tainha. Relatos de comerciantes vão na mesma direção, ou seja, a percepção de que a temporada foi decepcionante é geral. Porém, o volume menor do que a expectativa nas redes não é o único fator citado.

Proprietários de peixarias e restaurantes acreditam que, na verdade, a liberação tardia da pesca industrial foi o principal fator. Isso teria feito com que as vendas não atingissem as expectativas econômicas.

Esperança para recuperação econômica dos pescadores é com safra da anchova – Vera Lúcia Rocha

Proprietário de peixaria, Flávio Junior Martins, disse que pela primeira vez na sua vida viu seu comércio ficar sem tainha. “Isso nunca existiu – de ficar sem peixe no mercado. Foram três dias seguidos sem tainha”, reclamou.

Para o comerciante, a fraca temporada da tainha quebrou a economia da peixaria no período. Flavio afirmou que a procura pelo peixe sempre existe e é muito grande, por uma questão de tradição local. Mas nesta temporada a oferta não foi tão grande quanto a procura.

O comerciante explicou que, sem quantidade, não foi possível baixar o preço em relação aos anos anteriores. Consequentemente, as vendas caíram.

Leia também:

Mais conteúdo sobre

Geral