Presidente da Faesc avalia 2019 positivo para a agricultura e pecuária em Santa Catarina

Atualizado

O presidente da Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina), José Zeferino Pedrozo, fez uma retrospectiva sobre 2019 para os setores da agricultura e pecuária em Santa Catarina. Para Pedrozo, os últimos dois meses do ano, em especial novembro, foram os responsáveis por tornar o ano que se finda em positivo.

Isso porque a alta na exportação da carne impulsionou o mercado interno que estava há alguns anos estagnado. “O mercado catarinense vive um bom momento e reconhecemos o trabalho intenso da ministra da Agricultura [Tereza Cristina] que atuou como uma mercadora dos produtores brasileiros”, afirma Pedrozo.

Presidente da Faesc durante seminário em São José – Foto: Divulgação/Faesc/ND

A avaliação foi feita na tarde de sexta-feira (6) quando a Faesc reuniu dirigentes de sindicatos rurais de todo o Estado para o Seminário Estadual de Líderes Rurais, em São José.

Sobre o aumento do preço da carne bovina para o consumidor, Pedrozo acredita que deve sair do patamar que chegou agora e se acomodar num nível que ficará bom para o produtor, que há anos vê sua produção desvalorizada. “O preço da carne no supermercado estava praticamente o mesmo nos últimos nove anos. Ele vai parar de subir, porque subiu demais. Em alguns lugares já reduziu uns 5%. É a lei da oferta e da procura, que ninguém consegue revogar”, compara.

De acordo com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) de janeiro a novembro, o incremento da venda de carne bovina do Brasil para a China foi de 39,05%.

Gado e ovino

A Faesc tem procurado sensibilizar os produtores para que invistam em genética no rebanho bovino e ovino de corte. Por meio da parceria com o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), nos últimos três anos 80 mil matrizes foram inseminadas artificialmente.

Leite

Um produto catarinense que ainda não conseguiu alcançar o mercado externo é o leite e, segundo o presidente da Faesc, ainda levará tempo para que isso aconteça. Isso porque o custo da produção está acima dos parâmetros mundiais e é preciso melhorar a tecnologia para entregar um produto à altura da exportação.

Suíno e frango

Santa Catarina é o maior exportador de carne suína, entre os estados brasileiros, sendo responsável por 55,5% de toda carne exportada pelo Brasil. De janeiro a novembro, foram exportados mais de US$ 722 milhões.

A carne suína é a segunda mais exportada pelos produtores catarinenses, em primeiro lugar está o frango. No primeiro semestre do ano, foram exportadas 727,5 mil toneladas da ave, 58,8% a mais em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia também:

Economia