Presidente do STF, Dias Toffoli se isola e ministros evitam falar sobre coronavírus

Atualizado

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, anunciou, nesta quinta-feira (19), que adotará isolamento social após ter contato com Davi Alcolumbre, que foi diagnosticado com covid-19.

A assessoria do Supremo informou que se trata de uma medida preventiva e que segue orientações do Ministério da Saúde. Durante o período, Toffoli irá despachar de casa.

O teste positivo para coronavírus do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, foi o motivo que levou Toffoli a optar pelo isolamento social preventivo.

Os dois se encontraram no último dia 16 em reunião com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta. Na conversa, discutiram medidas envolvendo a prevenção à doença junto de outros seis ministros da Corte, que evitam falar sobre o tema.

O presidente da Corte, Dias Toffoli, anunciou na quinta-feira, 18, que adotará isolamento social após ter contato com Davi Alcolumbre, que foi diagnosticado com Covid-19 – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/ND

Ministros se manifestam

Procurados, os gabinetes dos ministros Gilmar Mendes, Edson Fachin, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Luiz Fux não se pronunciaram sobre o caso. O único participante da reunião a se manifestar, ministro Luís Roberto Barroso, informou em nota que não teve contato direto com Davi Alcolumbre durante a reunião.

Internado, decano Celso de Mello não comenta

Decano da Corte, o ministro Celso de Mello não comentou o assunto. Ele foi internado nesta terça-feira (17), em São Paulo (SP), com um quadro infeccioso, mas sem relação com o novo coronavírus, segundo informou o seu gabinete. O ministro recebeu alta nesta quinta para continuar o tratamento em casa.

Leia também:

Ausente do encontro, o ministro Ricardo Lewandowski disse que não teve contato com ninguém contaminado e não apresenta nenhum sintoma. O gabinete do ministro Alexandre de Moraes informou apenas que ele não participou do encontro com Alcolumbre.

O Secretário de Serviços Integrados de Saúde do Supremo, Marco Polo Freitas, que também esteve no encontro, afirmou que não há necessidade de realização do exame de coronavírus em casos de ausência de sintomas.

Política