Preso padrasto acusado de matar criança e incendiar casa em Videira

Atualizado

A pequena Emily Maria da Rosa Monteiro havia completado 2 anos em 28 de fevereiro. A morte precoce e brutal da criança, na manhã deste domingo (5), deixou a comunidade do bairro Linha Campina Bela, em Videira, no Meio-Oeste de Santa Catarina, perplexa.

No domingo, ainda no calor dos acontecimentos, a polícia havia informado que a vítima tinha 1 ano e 6 meses. A informação foi corrigida pelo Instituto-Geral de Perícias nesta segunda-feira (6).

O padrasto da criança, Celino Brito da Silva, 36 anos, apontado como o responsável pelo assassinato, foi preso na manhã desta segunda. De acordo com depoimentos colhidos no local do crime pela polícia, o homem teria estrangulado a menina antes de incendiar a casa. 

Celino Brito da Silva, 36 anos, padrasto da criança – Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

Celino morava na casa com a companheira, Grasiele da Rosa Carvalho, a enteada de 2 anos e uma filha de seis meses. A mulher e o bebê conseguiram escapar com vida. 

A prisão

Celino fugiu do local do crime de carro. Mais de 30 policiais militares, além de uma equipe aérea, fecharam o cerco na busca por ele. 

Após denúncia, os policiais o encontraram, na manhã desta segunda-feira (6). Celino estava caminhando às margens da BR-116, em Santa Cecília, na Serra de Santa Catarina. O carro utilizado na fuga foi abandonado às margens da rodovia com problemas mecânicos.

Carro estava abandonado às margens da BR-116 – Foto: Polícia Militar/ND

Segundo os policiais que o prenderam, Celino confessou o crime. O delegado Toriel Angelo Mota Sardinha já pediu a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva. 

Após a conclusão do inquérito, Celino deve ser indiciado pelo homicídio da criança e por tentativa de feminicídio contra a esposa. Se condenado, poderá ser penalizado em até 30 anos de prisão por cada crime.

Vizinhos tentaram salvar criança

O aposentado José Juarez Pereira era dono da casa de dois pisos onde a família morava de aluguel e foi reduzida a chamas. Ele ainda não consegue acreditar na brutalidade que presenciou no fim da manhã de domingo (5).

Seu José diz que presenciou o crime e tentou socorrer Emily – Foto: Carlos Correia/ND

Segundo o dono da casa, a família de Celino morava no local fazia três meses. Tanto ele, quanto outros vizinhos, perceberam que brigas eram recorrentes entre o casal, que estaria, inclusive, em processo de separação.

“A vida deles era muito turbulenta, mas, para nós, ambos eram gente boa e educados”, comentou seu José. 

O dono do imóvel conta que ouviu o que pareceu uma discussão entre o casal nas primeiras horas de domingo. Em seguida, viu Celino sair de carro.  

“O incêndio ocorreu quando ele voltou para casa (após a briga). A esposa dele saiu correndo e ele pulou a janela”, contou o aposentado. 

Segundo a Polícia Militar, vizinhos tentaram invadir a casa para salvar a menina Emily. Mas, segundo as testemunhas, Celino jogou álcool sob as pessoas que tentaram o resgate. 

Seu José também tentou resgatar a pequena de seis meses que é filha do casal, mas Carlito a teria arremessado pela janela. Apesar do risco que correu, a bebê não se feriu. A mãe também saiu ilesa. 

Incêndio durou quatro horas

Bombeiros de três cidades trabalharam por quatro horas para controlar as chamas. Só no fim dos trabalhos é que foi possível encontrar o corpo da criança. 

Padrasto incendeia casa e mata menina em Videira, diz polícia – Foto: Espião Noticias/ND

Seu José foi um dos que tentou salvar a menina, mas ao abrir a janela se deu conta de que não havia mais tempo, pois o corpo já estava em chamas. 

Segundo o Instituto-Geral de Perícias, o corpo ficou carbonizado e não é possível confirmar Se ela já estava morta quando foi incendiada. 

Polícia