Procon suspende a venda de produtos emagrecedores

Atualizado

Uma medida cautelar suspendeu a fabricação e comercialização de produtos ditos emagrecedores. A decisão ocorre após a morte de uma mulher de 27 anos, na Serra catarinense, e outros casos envolvendo problemas de saúde relacionados ao consumo dos produtos denominados “medicamentos fitoterápicos com finalidade de emagrecimento”.

Além de proibir a comercialização, a medida estabelecida pelo Procon Estadual de Santa Catarina também suspende a divulgação dos produtos Original Ervas, Royal Slim, Bio Slim, Natural Dieta, Yellow Black e similares.

A ação tem como base o Laudo Pericial Cadavérico, realizado pelo IGP (Instituto Geral de Perícias) de Lages, que constatou a causa da morte por “intoxicação exógena em decorrência de substância contendo Sibutramina e Diazepam”.

Leia também: 

A medida também estabelece a retirada imediata desses produtos das prateleiras e expositores de todos os estabelecimentos comerciais.

Publicidade também está proibida

Também deve ser removido materiais de publicidade envolvendo a comercialização e o fornecimento de tais produtos dos sites e ferramentas de busca, anúncios e venda e mídias sociais, no prazo de 48 horas, em todo território nacional, após a notificação via Sedex.

O ato passou a valer a partir da assinatura na segunda-feira (30), quando também ocorre a notificação das polícias Federal e Civil do Estado, do Ministério Público (de defesa do consumidor), do Conselho Regional de Farmácia, da Vigilância Sanitária Estadual e da Anvisa para que tomem as devidas providências.

A infração ao Código de Defesa do Consumidor Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, acarretará em crime de desobediência e a aplicação de multa no valor de R$ 1 milhão.

O diretor do Procon de Santa Catarina, Tiago Silva, esclarece que a falta de comprometimento das empresas responsáveis pela fabricação, divulgação, fornecimento e distribuição das substâncias tornaram necessária a Medida Cautelar.

“Esses produtos são proibidos e nocivos à saúde por conterem substâncias como Diazepam e Sibutramina, que só podem ser vendidos mediante prescrição médica”, reforça.

Alerta para a venda clandestina

A DIVS/SC (Diretoria de Vigilância Sanitária de Santa Catarina) alerta que o consumo de medicamentos fitoterápicos irregulares, sem o devido registro ou notificação na Anvisa, pode colocar a saúde da população em risco.

As substâncias podem conter outros componentes ativos não conhecidos em sua formulação. A superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Sanata Catarina, Raquel Ribeiro Bittencourt, alerta para a venda clandestina de falsos emagrecedores em sites hospedados em provedores internacionais.

Quando notificados, os produtos simplesmente saem do ar ou reaparecem com outro nome, usam marcas estabelecidas de maneira fraudulenta, se valem de CNPJ de empresas já extintas ou simplesmente falsificam produtos irregulares.

“Neste caso, específico, estão introduzindo drogas que são vendidas sob controle, com sedativos, cuja venda é controlada, mas de maneira mascarada. O risco de se comprar um produto em sites que fazem grandes propagandas, colocam fotos de antes e depois e alegam a perda de peso rápido é de uma gravidade muito grande, colocando em risco a vida de pessoas.

Essa medida tomada pelo Procon estadual é muito importante, porque o site que hospeda é corresponsável”, alerta.

Como consultar

A população pode consultar se o medicamento está regular na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) por meio do portal. Em caso de suspeita de medicamento ou comércio irregular, este não deverá ser consumido, e a Diretoria de Vigilância Sanitária deverá ser notificada pelo site  no botão “Fale com a Vigilância”, para os encaminhamentos e medidas necessárias.

Mais conteúdo sobre

Saúde