Programa no Litoral Norte oferece oportunidade para beneficiários dos programas sociais

Primavera da cidadania identifica necessidades e oferece capacitação

Divulgação

Curso de imagem pessoal e beleza é um dos mais procurados

Itapema – Ter uma vida normal, com salário todo o mês e casa para morar, é um sonho latente entre os beneficiários dos programas sociais do governo federal. O recurso vindo do Bolsa Família, por exemplo, é capaz de garantir o pão na mesa, mas não oferece a dignidade do trabalho. É ainda mais difícil para as chamadas mães de família, que cuidam sozinhas dos filhos e por isso ficam impedidas de frequentar cursos profissionalizantes ou qualquer outra iniciativa que lhes permita se libertar do assistencialismo.

Na cidade de Itapema, o programa Primavera da Cidadania, que oferece a capacitação profissional como porta de saída do Bolsa Família, encontrou pelo menos duas formas de combater esse problema. Passou a permitir que as mães levem os filhos para os cursos, oferecendo monitores para atendê-los durante o período e dividiu o ano em dois semestres, garantindo um número maior de vagas e oportunidades. Serão 330, até o final do ano, para a capacitação em informática, auxiliar administrativo, auxiliar financeiro, costura industrial, mecânica de máquina de costura, imagem pessoal e beleza, eletricista, técnico em ar condicionado, azulejista e grafiteiro. Quem não tem escolaridade suficiente para participar dos cursos ainda vai de volta para as salas de aula, completar o ensino médio e o ensino fundamental.

“O programa é uma política pública de promoção da cidadania e valorização das pessoas e suas potencialidades”, explicou a coordenadora do projeto, Ana Maria Sokacheski. Os cursos buscam trabalhar a autoestima e os direitos e deveres do cidadão, mostrando que com educação e capacitação todas as dificuldades podem ser superadas.

Pesquisa identifica necessidades

O Primavera da Cidadania surgiu há quatro anos e, para garantir colocação às pessoas em treinamento, procura levantar as necessidades de mão-de-obra da região. Realiza pesquisas entre as empresas e entre os beneficiários dos programas sociais. Por isso o investimento em informática, no setor do vestuário e nas áreas de elétrica e mecânica. As aulas são oferecidas no CRAS (Centro de Referência em Assistência Social do Município) e em entidades parceiras, como o Senai (Serviço Nacional da Indústria). “Quando há necessidade também providenciamos o transporte para os beneficiados. Oferecemos condições para que ele possa se qualificar e encontrar seu espaço no mercado de trabalho”, complementa a coordenadora.

Com o estágio avançado os trabalhos, já são possíveis cursos continuados, como no caso da costura. Os alunos que já se formaram em costura básica, esse ano poderão cursar costura avançada, deixando o projeto com melhores condições de colocação. Para o primeiro semestre restam poucas vagas para cursos como o de grafite, que ensina a arte da pintura em áreas abertas. As inscrições para o segundo semestre acontecem em junho. Como em alguns casos há até fila de espera, esse ano os alunos assinaram até um termo de compromisso, atestando a permanência até o final das aulas.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Notícias