Promotora analisa conteúdo de celulares apreendidos do caso Ame Jonatas, em Joinville

A promotora criminal responsável pelo caso Ame Jonatas, Diana Garcia, disse que a perícia nos celulares da família Openkoski é a peça-chave para esclarecer detalhes e chegar a uma conclusão, segundo informações da RICTV Record. Nesta semana, a Polícia Civil finalizou o inquérito e pediu o indiciamento dos pais, Renato e Aline Openkoski, por apropriação indébita e estelionato. O documento também pede o indiciamento de um médico, amigo da família envolvido no esquema, por falso testemunho.

Em dez dias, a promotora Diana Garcia terá que analisar mais de mil páginas e decidir se oferece denúncia à Justiça, arquiva o caso ou pede novas diligências. Segundo a Polícia Civil, os pais da criança utilizaram parte do dinheiro da campanha, que buscava ajudar no tratamento da doença rara AME (Atrofia Muscular Espinhal), para manter uma vida de luxo.

Aline e Renato Openkoski vão passar por consultas com psicólogos e também receber assistentes sociais em casa - RICTV/Reprodução
Aline e Renato Openkoski vão passar por consultas com psicólogos e também receber assistentes sociais em casa – RICTV Record/Reprodução

Confira a reportagem do SC no Ar:

Estado