Promotoria investiga ameaça a adolescente por motivação política na BA

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) – O Ministério Público do Estado da Bahia vai apurar o caso de uma adolescente ameaçada de morte por motivações políticas em Salvador. O caso envolve alunos do Colégio São Paulo, um dos mais tradicionais da capital baiana.

As ameaças foram feitas nos últimos dias no perfil da adolescente no Instagram por meio de um perfil anônimo, que supostamente pertenceria a colegas que estudam no mesmo colégio.

“Se cuide viu. Vou atrás de tacar a porra de vc […]. Vai se fuder na minha mão. Bolsonaro vai acabar com vocês feminazi tudo”, afirmou o perfil anônimo em mensagem deixada à adolescente.

Na sequência, após revelar as ameaças sofridas em sua rede social, a adolescente foi ameaçada de morte.

“Tá postando coisa pq porra? Ficou com medo n? Vai morrer viu. Última vez que te aviso quando mais apoio vc acha que ta ganhando, mais os meninos do grupo estão. Sua ‘oposição’ como você insiste em falar vai lhe custar 17 facadas pra voc morrer que nem aquele mestre de capoeira preto que votou na petralhada”, disse.

A mensagem faz referência ao assassinato do compositor e mestre de capoeira Moa do Katendê, 63, morto com 12 facadas após uma discussão política em um bar, um dia após o primeiro turno das eleições presidenciais.

Em nota, o Colégio São Paulo informou que não compactua com as agressões e que a instituição é norteada por valores como amor, solidariedade e respeito.

Informou ainda que, mesmo tendo ocorrido fora do ambiente escolar, as agressões serão alvo de uma investigação interna.

Na mesma semana, estudantes da faculdade de Medicina Veterinária da UFBA (Universidade Federal da Bahia) também foram alvo de ameças.

Em um áudio enviado em um grupo de WhatsApp, um dos alunos da universidade ameaçou violentar e “cortar ao meio” eleitoras do PT e do PSOL.

“Eu vou comer as petistas tudo para arrepiar, Haddad, PSOL, o caralho. Eu vou cortar é no meio. E o vermelho vai ser do sangue da xereca. Vai se arrombar, meu irmão. É Bolsonaro, desgraça”, disse o aluno no áudio.

Em nota, a UFBA repudiou as declarações e afirmou que irá adotar medidas disciplinares em relação ao aluno.

“UFBA reitera que esse tipo de atitude é inaceitável, por afrontar valores fundamentais da vida universitária. […] A UFBA reafirma, portanto, que não transigirá em relação a esse ou quaisquer outros episódios que representem risco à integridade física ou psicológica de membros de sua comunidade”, informou a universidade.

Mais conteúdo sobre

Jornalismo

Nenhum conteúdo encontrado