Quarentena: Setor empresarial pede reabertura do comércio em Santa Catarina

Atualizado

Desde o início da quarentena estabelecida como combate à disseminação e alastramento de casos de Covid-19 em Santa Catarina, setores do comércio, serviços e a atividade autônoma têm sofrido duros golpes. De portas fechadas, impedidos de funcionar em respeito à determinação do Governo do Estado, pequenos, médios e até mesmo grandes empresários já não sabem o que terão que fazer para evitar demissões e a falência.

Na tarde de terça-feira (7), representantes do setor pediram ao governador Carlos Moisés da Silva (PSL) para que o comércio possa voltar a atuar.

Leia também:

Na reunião virtual, que reúne representantes do Cofem (Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina), instituições e Governo, o setor empresarial solicitou ao Executivo para que as atividades possam ser retomadas o quanto antes em todo o Estado.

O Cofem salientou que todos os protocolos de segurança e prevenção ao contágio de coronavírus serão tomados para assegurar a saúde dos clientes e dos trabalhadores.

Comércio está fechado há três semanas – Foto: Anderson Coelho/ND

No começo da semana, foram retomados alguns serviços, como barbearias, consultórios médicos e escritórios, e o comércio não foi contemplado na portaria da SES (Secretaria de Estado da Saúde).

Esse foi um ponto questionado durante a reunião e o comitê das instituições pediu que o governo apresente com objetividade os critérios técnicos para a definição dos setores autorizados a operar.

Empresas menores são as mais atingidas

De acordo com o Cofem, as empresas de menor porte são as mais atingidas com as medidas de quarentena e já encontram dificuldades para quitar débitos que se acumulam, sendo a maior preocupação a folha de pagamento dos funcionários.

Um levantamento feito pela Fecomércio (Federação do Comércio) de Santa Catarina com 200 empresários mostrou que 85% dos entrevistados estão prevendo ajustes junto aos empregados. Do total, 55,9% considerou a redução do quadro de funcionários, 47,1% a compensação de horas e 44,1% a concessão de férias individuais.

As Federações que fazem parte do Cofem são a Fiesc, Fecomércio, Faesc, Fetrancesc, Facisc, FCDL, e das Micro e Pequenas Empresas.

Leia também:

Economia