Realizada mais uma etapa de transferência de carga da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis

A ponte foi elevada em mais 10,9cm na noite desta quinta; falta agora só mais uma etapa da operação

A penúltima etapa de transferência gradativa da carga da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, foi concluída com sucesso na noite desta quinta-feira (12),. Os macacos hidráulicos foram acionados às 23h30 e, depois de aproximadamente 30 minutos, fizeram a elevação de mais 10,9cm. Até agora, somadas todas as etapas, já subiram 43,6cm de um total de 53cm. Na última etapa, prevista para esta sexta-feira (13), serão elevados os 9,4cm restantes. A operação será realizada a partir das 23h. 

O presidente do Deinfra (Departamento Estadual de Infraestrutura), Wanderley Agostini, acompanhou os trabalhos e comemorou o sucesso de mais uma operação. “É muito bom saber que uma das etapas mais sensíveis da obra, que com muito esforço foi construída dia a dia com empenho e responsabilidade, está chegando ao fim com um sucesso absoluto. Tudo ocorreu conforme o esperado, e isso nos dá, além da sensação do dever cumprido, a segurança para avançar às próximas etapas.

Depois da avaliação dos dados gerados pelo monitoramento, o engenheiro fiscal da obra, Wenceslau Diotallévy, informou que a reação interna e a resposta das peças ocorreram dentro do previsto. “O gráfico e as curvas estão exatamente conforme o esperado e numa sequência”, apontou. O engenheiro disse que, concluída a quarta operação de transferência de carga deste mês de outubro, imediatamente começam o corte dos cabos pendurais – no período da noite – e a retirada das barras de olhal.

Além dos técnicos e engenheiros do Deinfra e da empresa Teixeira Duarte, responsável pelos trabalhos, também acompanhou a operação o secretário adjunto da Comunicação, Hamilton Peluso.

Transferência de Carga

Este procedimento é necessário para que o peso da obra original seja depositado gradativamente na estrutura provisória construída abaixo da ponte exclusivamente para a realização da restauração. As quatro etapas realizadas no mês de outubro vão transferir 80% da carga total. As operações são realizadas à noite para evitar influências térmicas. Os primeiros 20% foram transferidos em fevereiro de 2017.

Plano de contingência

Pelo previsto no plano de contingência de proteção e defesa civil, diferentemente do que ocorreu no procedimento realizado em fevereiro, não será mais necessário fechar o trânsito para veículos nas rodovias abaixo da ponte nem providenciar o deslocamento de moradores da região. Só está proibida a navegação abaixo do vão central, desde algumas horas antes de cada operação até a manhã do dia seguinte. Para o trabalho de transferência, a condição ideal é de que a velocidade dos ventos não supere os 40km/h.

Um sistema de monitoramento online está mapeando em tempo real mais de 200 pontos ao longo da estrutura da ponte, emitindo alertas em caso de qualquer variação imprevista e controlando os níveis de tensão nas diferentes peças da ponte. Foi montado um cronograma de alertas, dividido em quatro cores, para orientar todas as equipes envolvidas.

O primeiro sinal é a cor verde, que representa que tudo está operando dentro do previsto. O segundo é a cor amarela, que indica algum imprevisto e faz com que o trabalho seja interrompido. O terceiro é a cor laranja, que indica que todos os órgãos envolvidos no plano de contingenciamento devem enviar representantes para o local de trabalho. E, por fim, o sinal na cor vermelho, que se acionado fará com que, apenas neste caso, o trânsito seja interrompido nas rodovias abaixo da ponte e moradores as áreas mais próximas da estrutura, já previamente identificados e notificados, sejam deslocados.

Próximos passos

Após concluídas as operações de transferência de carga, a equipe da Teixeira Duarte fará o trabalho de desmontagem da atual estrutura, que vai abranger a remoção dos cabos pendurais e das barras de olhal e o abaixamento do tabuleiro do vão central, para então trabalhar na montagem da nova estrutura. A previsão é que a desmontagem das barras de olhal ocorra já em novembro, o que vai transformar o visual do cartão postal catarinense. 

Em seguida, serão realizados trabalhos intermediários e, então, a montagem da nova estrutura. A ponte receberá duas mil toneladas de metal novas, o que representa uma renovação de cerca de 40% da atual estrutura. Muitas das novas peças, fabricadas no Brasil e no exterior, já foram compradas e estão em depósitos no canteiro de obras. A conclusão da restauração está prevista para o final de 2018.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...

Realizada mais uma etapa de transferência de carga da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis

A ponte foi elevada em mais 10,9cm na noite desta quinta; falta agora só mais uma etapa da operação

A penúltima etapa de transferência gradativa da carga da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, foi concluída com sucesso na noite desta quinta-feira (12). Os macacos hidráulicos foram acionados às 23h30 e, depois de aproximadamente 30 minutos, fizeram a elevação de mais 10,9 cm. Até agora, somadas todas as etapas, já subiram 43,6 cm de um total de 53cm. Na última etapa, prevista para esta sexta-feira (13), serão elevados os 9,4cm restantes. A operação será realizada a partir das 23h. 

A ponte foi elevada em mais 10,9cm nesta quinta - Jaqueline Noceti/Secom/Divulgação/ND
A ponte foi elevada em mais 10,9cm nesta quinta – Jaqueline Noceti/Secom/Divulgação/ND

O presidente do Deinfra (Departamento Estadual de Infraestrutura), Wanderley Agostini, acompanhou os trabalhos e comemorou o sucesso de mais uma operação. “É muito bom saber que uma das etapas mais sensíveis da obra, que com muito esforço foi construída dia a dia com empenho e responsabilidade, está chegando ao fim com um sucesso absoluto. Tudo ocorreu conforme o esperado, e isso nos dá, além da sensação do dever cumprido, a segurança para avançar às próximas etapas.

Depois da avaliação dos dados gerados pelo monitoramento, o engenheiro fiscal da obra, Wenceslau Diotallévy, informou que a reação interna e a resposta das peças ocorreram dentro do previsto. “O gráfico e as curvas estão exatamente conforme o esperado e numa sequência”, apontou. O engenheiro disse que, concluída a quarta operação de transferência de carga deste mês de outubro, imediatamente começam o corte dos cabos pendurais – no período da noite – e a retirada das barras de olhal.

Além dos técnicos e engenheiros do Deinfra e da empresa Teixeira Duarte, responsável pelos trabalhos, também acompanhou a operação o secretário adjunto da Comunicação, Hamilton Peluso.

Transferência de Carga

Este procedimento é necessário para que o peso da obra original seja depositado gradativamente na estrutura provisória construída abaixo da ponte exclusivamente para a realização da restauração. As quatro etapas realizadas no mês de outubro vão transferir 80% da carga total. As operações são realizadas à noite para evitar influências térmicas. Os primeiros 20% foram transferidos em fevereiro de 2017.

Os macacos hidráulicos foram acionados às 23h30 - Jaqueline Noceti/Secom/Divulgação/ND
Os macacos hidráulicos foram acionados às 23h30 – Jaqueline Noceti/Secom/Divulgação/ND

Plano de contingência

Pelo previsto no plano de contingência de proteção e defesa civil, diferentemente do que ocorreu no procedimento realizado em fevereiro, não será mais necessário fechar o trânsito para veículos nas rodovias abaixo da ponte nem providenciar o deslocamento de moradores da região. Só está proibida a navegação abaixo do vão central, desde algumas horas antes de cada operação até a manhã do dia seguinte. Para o trabalho de transferência, a condição ideal é de que a velocidade dos ventos não supere os 40km/h.

Um sistema de monitoramento online está mapeando em tempo real mais de 200 pontos ao longo da estrutura da ponte, emitindo alertas em caso de qualquer variação imprevista e controlando os níveis de tensão nas diferentes peças da ponte. Foi montado um cronograma de alertas, dividido em quatro cores, para orientar todas as equipes envolvidas.

O primeiro sinal é a cor verde, que representa que tudo está operando dentro do previsto. O segundo é a cor amarela, que indica algum imprevisto e faz com que o trabalho seja interrompido. O terceiro é a cor laranja, que indica que todos os órgãos envolvidos no plano de contingenciamento devem enviar representantes para o local de trabalho. E, por fim, o sinal na cor vermelho, que se acionado fará com que, apenas neste caso, o trânsito seja interrompido nas rodovias abaixo da ponte e moradores as áreas mais próximas da estrutura, já previamente identificados e notificados, sejam deslocados.

A última etapa da operação está prevista para esta sexta-feira - Jaqueline Noceti/Secom/Divulgação/ND
A última etapa da operação está prevista para esta sexta-feira – Jaqueline Noceti/Secom/Divulgação/ND

Próximos passos

Após concluídas as operações de transferência de carga, a equipe da Teixeira Duarte fará o trabalho de desmontagem da atual estrutura, que vai abranger a remoção dos cabos pendurais e das barras de olhal e o abaixamento do tabuleiro do vão central, para então trabalhar na montagem da nova estrutura. A previsão é que a desmontagem das barras de olhal ocorra já em novembro, o que vai transformar o visual do cartão postal catarinense. 

Em seguida, serão realizados trabalhos intermediários e, então, a montagem da nova estrutura. A ponte receberá duas mil toneladas de metal novas, o que representa uma renovação de cerca de 40% da atual estrutura. Muitas das novas peças, fabricadas no Brasil e no exterior, já foram compradas e estão em depósitos no canteiro de obras. A conclusão da restauração está prevista para o final de 2018.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...