Retirada de poste pode atrasar retomada de obra na ponte sobre canal da Barra da Lagoa

Inicialmente prevista pelo Deinfra para acontecer na primeira semana de agosto, a retomada das obras da ponte sobre o canal da Barra da Lagoa, no leste da Ilha de Santa Catarina, deve atrasar e adiar ainda a mais a conclusão da obra, programada para fevereiro de 2019. O novo entrave é a retirada de um poste de iluminação pública, em serviço que tem 30 dias de prazo para ser realizado a contar de 16 de julho, data da solicitação junto à Celesc.

Nova ponte (à esq.) começou a ser construída em 2014 e só deve ficar pronta em fevereiro de 2019 - Flávio Tin/ND
Nova ponte (à esq.) começou a ser construída em 2014 e só deve ficar pronta em fevereiro de 2019 – Flávio Tin/ND

De acordo com assessoria de imprensa da Celesc, o pedido está em fase de elaboração de projeto e que deve levar 30 dias para ser finalizado. O prazo final para conclusão do trabalho também dependerá da complexidade do serviço. A relocação do poste é só uma das quatro pendências que o Deinfra precisa resolver para retomar as obras.

A segunda pendência é a remoção de uma adutora da Casan. A autarquia já foi comunicada e programou o início dos trabalhos a partir da próxima semana, em uma operação que tem prazo de cinco dias para execução. De acordo com a assessoria de imprensa da Casan, as braçadeiras que irão receber a adutora já foram instaladas, o que garante agilidade para a operação.

O Deinfra também já fez contato com a empresa responsável para mobilizar as equipes de trabalho e ainda terá que finalizar os processos de desapropriação ainda pendentes.  De acordo com o secretário Estadual de Infraestrutura e presidente do Deinfra, Paulo França, após a retomada das obras, sete meses serão necessários para a conclusão da ponte para alívio da comunidade, pescadores e usuários da Rodovia Jornalista Manoel de Menezes (SC-406). Ainda segundo França, a obra irá consumir R$ 2 milhões e os recursos estão garantidos.

Paralisada após ação do Ministério Público que exigia a realização de um estudo ambiental e a demolição da nova estrutura, a retomada da obra foi autorizada pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª região, que derrubou a ação no início do mês de julho. De acordo com a assessoria de imprensa do Instituto do Meio Ambiente (IMA), a questão está encerrada, pois o órgão ambiental também tem o mesmo entendimento de que não há necessidade do estudo para o local.  

Obras foram retomadas na ponte da Barra da Lagoa esta semana - Flávio Tin/Arquivo ND
Obras foram retomadas na ponte da Barra da Lagoa esta semana – Flávio Tin/Arquivo/ND

Cidade