Ricardo Roesler é eleito novo presidente do Tribunal de Justiça de SC

Atualizado

Ricardo Roesler foi eleito, na manhã desta quarta-feira (4), o novo presidente do TJ-SC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina). Participaram da votação 90 desembargadores. O sucessor de Rodrigo Collaço assumirá em 2020 e ficará a frente do órgão por dois anos.

Ricardo Roesler foi eleito o sucessor de Rodrigo Collaço na presidência do Tribunal de Justiça de Santa Catarina – Foto: Caroline Borges/ND

Roesler foi eleito com 47 votos. Três desembargadores concorreram ao cargo de chefe do Poder Judiciário catarinense, incluindo Altamiro Oliveira e Ricardo Fontes, que receberam, respectivamente, 11 e 32 votos.

Quatro dos 94 desembargadores se ausentaram da votação.

Leia também:

Além da presidência, nesta quarta também estarão em votação cargos como a vice-presidência e a corregedoria do TJ-SC.

No pleito para o cargo de 1° vice-presidente do TJ, biênio 2020-2022 concorrem João Henrique Blasi e Jânio Machado. Para 2° Vice-presidência estão cotados Volnei Celso Tomazini e Luiz Antônio Zanini Fornerolli.

Na terceira Vice-presidência concorrem Salim Schead dos Santos e Paulo Ricardo Bruschi.

Para Corregedor-Geral da Justiça Sérgio Izidoro Heil e Soraya Nunes Lins.

Mais de 30 anos de experiência

Ricardo Roesler é natural de São Bento do Sul. Atuou como juiz substituto nas comarcas de Joinville, São Francisco do Sul e Canoinhas entre 1987 e 1989. Entre 1989 a 2007 foi juiz de direito nas comarcas de Barra Velha, Sombrio, Jaraguá do Sul e Joinville.

Desembargadores votam para eleger o novo presidente do TJSC – Foto: Caroline Borges/ND

No período de 2003 a 2006 foi presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses e, de 2004 a 2007, atuou como diretor financeiro da Associação dos Magistrados Brasileiros.

Ainda em 2007, foi nomeado juiz de direito de 2º grau do TJ-SC, onde tomou posse no cargo de desembargador no ano de 2012.

Em março de 2018 assumiu a presidência do TRE- SC (Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina) onde ficou até abril deste ano.

Justiça