Saiba como planejar e realizar investimentos para a aposentadoria

Quanto você quer receber por mês quando se aposentar? Independentemente da cifra almejada, o primeiro passo é planejar.

Planejamento financeiro: controle de despesas e receitas é essencial para se tornar um investidor – Foto: Reprodução/NDTVPlanejamento financeiro: controle de despesas e receitas é essencial para se tornar um investidor – Foto: Reprodução/NDTV

O planejamento financeiro ainda é um território inexplorado por grande parte da população brasileira. Prova disso é o grau de endividamento e inadimplência. No ano passado, pesquisa da Serasa Experian mostrou que o número de brasileiros com o nome sujo e com restrições de crédito bateu um novo recorde atingindo 63,2 milhões de pessoas, o que representa 40,4% da população adulta do país. 

A boa notícia é que nunca é tarde para tomar as rédeas do orçamento financeiro e se tornar um investidor. Através de mudanças graduais é possível assumir uma nova relação com o dinheiro e até fazer ele trabalhar em seu favor, que é o que ocorre quando você investe. Veja a seguir os principais passos para realizar o planejamento financeiro e da aposentadoria.

Anotar despesas e receitas

Ter a consciência dos gastos é primordial. O caminho é “fazer um planejamento, um controle paralelo de quanto que se tem de receitas e despesas e verificar se tem equilíbrio entre o que você ganha e o que você paga”, diz o diretor Administrativo e Financeiro do OABPrev-SC, Yuri Carioni Engelke.

“A principal virtude de um bom planejador é a disciplina, pois será necessário manter e atualizar o controle de gasto todos os meses para evitar surpresas inesperadas no meio do caminho”, diz a supervisora do OABPrev-SC, Kelly W. Amorim, que representa a instituição no programa de educação financeira e previdenciária ‘A Escolha Certa’.

As informações podem ser anotadas no papel, em arquivos no computador ou em aplicativos no celular. Existem modelos de planilhas que possuem fórmulas que facilitam os cálculos. O portal ‘A Escolha Certa’ possui diversas dicas e também oferece um simulador de planejamento familiar. Acesse aqui. 

Pagar as dívidas e cortar gastos

Planilhas e aplicativos no celular ajudam na organização das despesas e receitas – Foto: Reprodução/NDTVPlanilhas e aplicativos no celular ajudam na organização das despesas e receitas – Foto: Reprodução/NDTV

Engelke destaca que a revisão do orçamento ajuda a identificar despesas supérfluas. “Quando se tem o controle, se tem a verificação de quanto se gasta, (a pessoa) pode identificar se há alguma despesa que pode ser reduzida ou então que pode ser absorvida por outro tipo de despesa”, diz.

Após relacionar as despesas, é o momento de identificar quais dívidas estão pesando no orçamento e de que forma podem ser quitadas, renegociadas ou até mesmo migradas para outra instituição com taxas menores através da portabilidade. 

“Considero que o primeiro passo é se livrar das dívidas priorizando o seu pagamento, se necessário negociando com o credor. Depois disso, é preciso ter consciência dos gastos para evitar novas dívidas, evitando compras por impulso, para ter uma vida financeira mais saudável”, diz Amorim. 

Realizar investimentos

Anotadas as despesas e receitas, feitos os cortes de gastos desnecessários e realizado o planejamento para o pagamento das dívidas, o passo seguinte é investir. 

No Brasil, a falta de educação financeira faz com que a população não assuma perfil investidor. Prova disso é a pesquisa ‘raio-x do investidor brasileiro’ que mostrou a poupança como o investimento mais popular do Brasil. Essa modalidade de investimento teve rendimento de 4,34% no último ano.

O segundo investimento mais popular no Brasil é a previdência privada que teve rendimento médio de 11% em 2019. Em terceiro e quarto lugar, respectivamente, ficam os títulos privados e fundos de investimento, que possuem rendimento maior juntamente ao risco atrelado.

Planejamento financeiro leva advogados a investirem em previdência complementar 

Advogado Marco Antonio Mendes Sbissa contratou plano de previdência complementar para o filho de 2 meses “não sei se ele será também advogado, mas contando com a segurança do OABPrev-SC, fica a certeza de que o Marquinho poderá ser o que quiser”, diz. – Foto: Arquivo pessoalAdvogado Marco Antonio Mendes Sbissa contratou plano de previdência complementar para o filho de 2 meses “não sei se ele será também advogado, mas contando com a segurança do OABPrev-SC, fica a certeza de que o Marquinho poderá ser o que quiser”, diz. – Foto: Arquivo pessoal

Em Santa Catarina, mais de oito mil advogados e familiares aderiram à previdência complementar do OABPrev-SC. A média de rendimento da previdência privada costuma ser o triplo da poupança. É uma forma de associar segurança com rentabilidade. 

”Ela tem taxas baixas, custos baixos e rentabilidade atrativa e ainda tem o benefício fiscal do imposto de renda. E além do que se tem uma tranquilidade para quando se aposentar”, diz Engelke.

O advogado Marco Antonio Mendes Sbissa aderiu à previdência complementar do OABPREV-SC há 15 anos. “Nós advogados somos independentes. Mas por essa independência o advogado tem que cuidar de tudo. Desde a sua saúde, a instituição financeira e a sua aposentadoria. Então, faz-se necessário que nós, profissionais liberais, tenhamos um plano de aposentadoria que nós mesmos cuidemos para que se tenha um resultado efetivo quando a gente necessitar”, diz. 

Sbissa destaca a relevância do planejamento financeiro e previdenciário. “O futuro chegará. É certo que a vida tem um início e tem um fim. E a gente deve se preparar a todos os momentos da vida”. 

+ OAB Prev SC