Sambando com as próprias pernas

Conversando com um secretário municipal de Florianópolis ouvi dele a seguinte avaliação sobre o Carnaval: “Está certo que 2016 é um ano de dificuldades, mas isso não nos impede de manter alguns eventos carnavalescos no calendário oficial da cidade. É o caso do Berbigão do Boca, do Enterro da Tristeza, do Zé Pereira, do Carnaval de Santo Antônio, do Pop Gay. Não há como retirar essas atrações, porque já estão consolidadas e representam a nossa cultura, o jeito da nossa gente. O que a prefeitura está fazendo é estimular a transferência da responsabilidade financeira para patrocinadores. O poder público não pode ajudar todas as festas. É preciso buscar apoio da iniciativa privada”. Mesmo raciocínio que motivou a Liesf (Liga das Escolas de Samba de Florianópolis) a assumir a gestão dos desfiles e da própria Passarela Nego Quirido. É aquela história do “caminhar com as próprias pernas”, no caso “sambar”, com ganhos evidentes para a cidade e para os próprios aficionados do Carnaval. Em outras palavras, a profissionalização da festa, que promete ser uma das melhores de todos os tempos em 2016.

Carlos Damião

Festa garantida

A garantia de realização do Pop Gay, que até o início da semana estava cancelado, foi possível graças à atuação de várias autoridades municipais nos bastidores. Um dos que mais se empenharam foi o secretário municipal do Consumidor, Tiago Silva, coordenador da tradicional Parada da Diversidade. Não há dúvida que o Pop Gay faz a diferença no Carnaval de Florianópolis. Na imagem, um registro que fiz do Carnaval do Roma – onde surgiu o Pop Gay – em 2007.

Tarde de blocos

O Carnaval promete, apesar da crise. Blocos tradicionais, como o Sou + Eu (quase 40 anos de folia) e o Pauta Que o Pariu (dos jornalistas, mas aberto ao público) são as principais atrações do sábado na região central. E o melhor: durante o dia, com menos riscos para a segurança de quem quer brincar em paz. Não esquecendo que neta sexta, 5, tem o Vento Encanado, comandado pelo boa praça Nivaldinho Machado, na Rua Padre Miguelinho.

Tempo esgotado

Por que é tão difícil regular o tempo de abertura de uma sinaleira? Faz mais de 10 dias que a Avenida Trompowsky virou um tormento para os motoristas: o sinal abre por menos de 15 segundos na esquina com a Rua Bocaiúva. Passam cinco ou seis carros no máximo Na terça-feira publiquei uma imagem aqui, mostrando a tranqueira. Na quarta, 3, passei de novo por lá e a situação continuava na mesma.

Falta serragem

“Aceitam-se doações de serragem. Encaminhar para a Guarda Municipal de Florianópolis, no antigo Portal Turístico, Coqueiros”. Não é piada, é um apelo divulgado nas redes sociais. O trânsito de Florianópolis está dependendo de serragem para ser espalhada nas curvas de acesso à Ponte Pedro Ivo Campos. Caminhões e ônibus com tanques cheios demais costumam derramar óleo combustível nas pistas.

Solidariedade

Para ajudar escolas e instituições que atendem crianças carentes neste ano letivo, o Iguatemi e o Sesc lançaram a Campanha de Arrecadação de Livros e Materiais Escolares. Até o dia 28 de fevereiro serão aceitas doações de livros, cadernos, mochilas, lápis, canetas, entre outros itens, novos ou usados, mas em boas condições.

Novo comando

Passagem de comando do 4º Batalhão da Polícia Militar será nesta quinta, 4, às 10h, no Forte Santana. Sai o coronel Carlos Alberto de Araújo Gomes e assume o tenente-coronel Marcelo Pontes. A solenidade será presidida pelo governador Raimundo Colombo. O 4º BPM é o de maior abrangência na região metropolitana.

Século 19

É inacreditável que no Brasil, em pleno século 21, parlamentares se empenhem em aprovar um projeto que “relativiza” questões de trabalho escravo proibidas pela Constituição. O autor, senador Romero Jucá (PMDB-RR), retirou do texto constitucional as expressões “jornada exaustiva” e “condições degradantes” como situações definidoras de trabalho escravo.

Birdwatching

A grande atração depois do atrativo carnaval do litoral é subir a serra para observar o voo de milhares de papagaios na serra catarinense, mais exatamente em Urupema. A partir de março eles chegam aos bandos. São os famosos Papagaios Charão, que migram do RS para SC onde se juntam aos Papagaios do Peito Roxo, nativos na serra, para comer pinhão. O 5º Festival é organizado pelo casal Fernando e Rose Raddatz, à frente do Instituto de Pesquisas e Aplicação Ambiental e Cultural.

CPF ao nascer

Dar agilidade a demandas da população mais carente está entre os benefícios do novo sistema que permite aos cartórios emitir o número do CPF (Cadastro de Pessoa Física) junto à certidão de nascimento. Disponível desde dezembro em Santa Catarina, o procedimento é gratuito e já bateu a marca de mais de 3.400 registros, segundo a Associação dos Notários e Registradores de Santa Catarina.

Mobilização energética

A assessoria de Responsabilidade Social da Celesc se mobiliza para realizar uma ação cidadã no próximo dia 20 de fevereiro, em várias cidades do estado, por meio do Programa Celesc Voluntária. Além de distribuir material sobre o uso correto e eficiente da energia elétrica, os colaboradores da Empresa querem chamar a atenção da população quanto à importância de exterminar os focos do mosquito Aedes Aegyptis, causador da dengue, da zica e da febre chikungunya.

Turistas perdidos

“Falta sinalização clara na Ponte Colombo Salles de como retornar à Ilha. Diversos turistas vêm a Coqueiros pedir ajuda porque não conseguem se orientar, faltam placas”. Leo Contin da Costa, observando nas redes sociais um fato que já testemunhei inúmeras vezes.

Divulgação

Para a SC-401

Essa imagem circula nas redes sociais, em especial entre o pessoal que curte pedaladas seguras. Trata-se de uma estrada na Alemanha, em que a pista dos ciclistas é separada das pistas normais para automóveis. Não é o modelo ideal, segundo André Freyesleben, mas é um tipo que poderia ser adotado em alguns trechos da SC-401, nem que emergencialmente.

Loading...