Santa Catarina registra o menor índice de isolamento desde o início da pandemia, com 37,5%

Atualizado

O índice de isolamento social em Santa Catarina chegou ao seu nível mais baixo nesta quinta-feira (21), com apenas 37,5%. Apesar de o estado ter ficado mais isolado após o fim de semana, com índice oscilando próximo a – ou até abaixo de – 50%, agora há uma queda vertiginosa desde o último domingo.

Os números confirmados representam 13,7 mortes a cada 1 milhão de habitantes, média expressivamente menor do que os 95,2 por milhão nacionais – Foto: Arquivo/Flavio Tin/ND

O mapeamento atinge 1,5 milhão de catarinenses, com rastreio de smatphones, mas não angaria dados pessoais e afins, segundo o governo do estado. A média nacional está em 41,7%, com o Amapá sendo o estado mais isolado (55,8%), e Goiás sendo o menos isolado (35,9%).

Mais quatro mortes

Em pronunciamento, o Secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, confirmou 5.610 casos do novo coronavírus e 98 mortes, com mais quatro óbitos somados nas últimas 24 horas.

Há 3.296 pessoas recuperadas da doença, embora ainda haja 2.314 pacientes ativos.  O secretário da pasta também vem ressaltando que o índice de isolamento é preocupante, sendo até então a melhor medida para lidar com a pandemia.

Leia também:

Chapecó segue sendo o epicentro do estado, com 626 casos, ao passo que a capital possui 525. O município que mais registrou mortes foi Joinville, com 14. Concórdia registrou 7, Criciúma e Florianópolis registraram 6.

Os números confirmados representam 13,7 mortes a cada 1 milhão de habitantes, média expressivamente menor do que os 95,2 por milhão nacionais. A taxa de letalidade continua em 1,7%, número que é considerado satisfatório pelo governo, pois também fica abaixo da média nacional, de 6,4%.

Ocupação de leitos de UTI

Além disso, são 117 pacientes em UTI, dos quais são 82 casos suspeitos e 35 casos confirmados. 61 necessitam de ventilação mecânica e 446 já receberam alta do tratamento intensivo para leitos de enfermagem.

Atualmente, de todos os leitos de UTI, 60,36% estão ocupados, dos quais 14% são para pacientes com o novo coronavírus. Com essa taxa, a rede pública de saúde no estado dispõe de 480 leitos de UTI. Em média, cada paciente fica 14,1 dias ocupando um leito de UTI, uma média razoável, segundo a pasta da saúde, pois fica abaixo dos 15 dias.

Vacinação

O secretário também chamou a atenção para as vacinas, cuja meningocócica ACWY, que chegou em abril e é indicada para jovens de 11 a 12 anos, como modo de prevenir meningite e doenças similares. Estima-se que são 212 mil jovens nessa faixa etária, e o governo pretende vacinar 80% destes. Também estima-se que 89,18% esteja vacinado contra a febre amarela, número próximo da meta de 95%.

Quanto à vacina da gripe, 60% do estado já está vacinado, mas a meta é de 90% para “ser efetiva”. Apesar de não prevenir o novo coronavírus, ela acaba combatendo a pandemia indiretamente, prevenindo demais doenças que possam fazer com que leitos do sistema público sejam ocupados.

Saúde