São Paulo terá centro de contingência do coronavírus

Atualizado

Após a confirmação do primeiro caso de uma pessoa infectada com o coronavírus no Brasil – um homem de 61 anos que vive em São Paulo e tinha viajado para a Itália – o governo do Estado decidiu criar um centro de contingência.

Caso confirmado no Brasil também é o primeiro da doença na América Latina – Foto: Roberto Casimiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo

O objetivo é monitorar e coordenar ações contra a propagação do novo coronavírus, mas medidas mais detalhadas que serão tomadas ainda não foram divulgadas.

Presidido pelo infectologista David Uip, o centro será composto por profissionais do Instituto Butantan e médicos especialistas das redes pública e privada. Por sua vez, a supervisão ficará a cargo do secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Diagnóstico saiu na terça

O primeiro caso de Covid-19 no Brasil foi diagnosticado na terça-feira (25), em um paciente do Hospital Israelita Albert Einstein. O hospital fez o primeiro exame, que depois foi confirmado pelo Instituto Adolfo Lutz, laboratório de referência nacional para análise de amostras de casos suspeitos.

O paciente esta estável, isolado em casa. Há outros 11 casos suspeitos na cidade.

Leia também:

Conforme detalhado nesta quarta-feira (26) pelo Ministério da Saúde, ele chegou a São Paulo na sexta-feira, sem nenhum sintoma, em um voo que saiu do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris. Antes, o paciente ficou na região da Lombardia, na Itália, onde os casos se concentram naquele país, entre os dias 9 e 20 de fevereiro.

Ele teve uma reunião de família com cerca de 30 pessoas no almoço de domingo e começou a sentir os sintomas logo depois. Foi para o hospital na segunda à noite, recebendo o diagnóstico na terça.

Pessoas que estavam próximas dele no avião e com quem ele se encontrou então sendo contactadas pelos agentes de saúde.

Novos países na lista de atenção

O hospital resolveu testá-lo para o coronavírus depois que o Ministério da Saúde tinha ampliado o rol de países dos quais viajantes deveriam ficar atentos para sintomas. Essa mudança levou em conta o aumento de casos registrados fora do território chinês.

Além da Itália, Austrália, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Camboja, Filipinas, Japão, Malásia, Vietnã, Cingapura, Tailândia, Alemanha, França, Irã e Emirados Árabes Unidos estão na lista de locais de origem ou transição definida pelo Ministério da Saúde no início da semana.

O secretário estadual da Saúde pede que pessoas que apresentarem os sintomas e tiverem um histórico de viagem para uma área com circulação do vírus, que tenham tido contato com algum caso suspeito ou confirmado laboratorialmente que procurem um serviço de saúde mais próximo.

Mais conteúdo sobre

Saúde