Saques do FGTS beneficiarão mais de 4 milhões de trabalhadores catarinenses

Até março de 2020 mais de 4,35 milhões de trabalhadores catarinenses terão direito a receber o saque do FGTS, disponibilizado conforme a data de aniversários dos contribuintes.

Ao todo, segundo o Governo Federal, a quantia representa por volta de R$ 1,8 bilhão que será entregue aos trabalhadores de Santa Catarina. No país inteiro a soma corresponde a cerca de R$ 39,9 bilhões, que serão distribuídos entre 96,45 milhões de brasileiros.

Em Santa Catarina, a quantia que poderá ser sacada gira em torno de R$ 1,8 bilhões – Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O saque poderá ser feito a partir de setembro deste ano e seguirá até dia 31 março de 2020, em datas específicas organizadas conforme o mês de aniversário dos beneficiados (confira na lista abaixo). A melhor saída para os beneficiados, apontam os especialistas, é sacar o benefício e investir, mas não gastar.

Leia também

Conforme o governo, a medida representa o maior saque de FGTS até então, e conta com novas modalidades, como o saque imediato — trabalhadores poderão sacar o valor de até R$ 500 por conta vinculada do FGTS — e saque aniversário — prevê que o trabalhador saque anualmente parte do saldo do FGTS.

Economista prevê baixo impacto na economia do Estado

A Caixa Econômica disponibilizou nesta quinta-feira (8) informações referentes ao FGTS em todos os estados. Para o economista da FACISC (Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina) e consultor econômico, Leonardo Alonso Rodrigues, o efeito dos saques iniciais terão pouco impacto em Santa Catarina.

O economista afirma que o montante não significa nada que provoque um grande movimento econômico ou algum crescimento vigoroso na economia regional.

Rodrigues ainda afirma que o impacto vai variar muito de pessoa para pessoa, mas que um valor máximo de R$ 500 é muito limitado sobre o consumo e volume de vendas. “Pode gerar uma série de efeitos, mas que não contribuem como um impacto na economia catarinense”, afirmou.

O economista ainda afirmou que estimativas que foram elaboradas por consultorias apontam para um impacto de 0,35% no PIB, que segundo Leonardo, já possui uma estimativa de crescimento baixa, de 0,8%.

Leonardo ainda afirmou que algumas pessoas irão utilizar o dinheiro do FGTS para quitar dívidas antigas e outras para algum tipo de investimento. Mas, por se tratar de um montante baixo, nada disso terá um impacto muito significativo e impactante estruturalmente na economia.

Já o Governo prevê que as medidas anunciadas no mês passado para os fundos injetem R$ 30 bilhões na economia este ano e R$ 12 bilhões no próximo.

Confira o calendário de saques do FGTS

O cronograma para os saques de até R$ 500 de cada conta ativa e inativa do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do PIS foi divulgado nesta segunda-feira (5) e foi escalonado conforme data de aniversário.

As pessoas nascidas em janeiro, fevereiro, março e abril poderão sacar os recursos do FGTS primeiro, a partir de 13 de setembro. Já quem faz aniversário em maio, junho, julho e agosto terá acesso aos saques a partir de 27 de setembro. Quem nasceu em setembro, outubro, novembro e dezembro poderá sacar das contas do FGTS a partir 9 de outubro.

O prazo final para que todos os trabalhadores realizem os saques de até R$ 500 por conta do FGTS acaba em 31 de março de 2020. Os 33 milhões de trabalhadores que têm conta poupança na Caixa receberão os recursos automaticamente. A expectativa do banco é de que até R$ 96 milhões de pessoas saquem recursos do fundo.

Nas casas lotéricas poderão ser realizados saques de até R$ 100, com a apresentação de um documento de identidade e do CPF. Nesse caso, o escalonamento será mais longo.

Para os nascidos em janeiro, o saque nas lotéricas começará apenas em 18 de outubro. Os saques nas lotéricas seguirão essa ordem: nascidos em fevereiro (25/10), março (08/11), abril (22/11), maio (06/12), junho (18/12), julho (10/01), agosto (17/01), setembro (24/01), outubro (07/02), novembro (14/02) e dezembro (06/03).

Mais conteúdo sobre

Economia