Secretaria da Saúde admite que há problemas estruturais no Hospital Celso Ramos

Atualizado

Após o Hospital Governador Celso Ramos sofrer com princípio de incêndio e curto-circuito em menos de um mês, além de ser alvo de inquérito do Ministério Público por irregularidades nos alvarás, a Secretaria de Estado da Saúde emitiu nota afirmando que está “ciente das necessidades de melhorias e adequações” na unidade.

Localizado no Centro de Florianópolis, o complexo de saúde foi construído há 53 anos e causou preocupação no dia 24 de setembro quando houve um princípio de incêndio. Apesar de a unidade ter sido evacuada, ninguém ficou ferido.  

Na última quinta-feira (10), outro incidente ocorreu quando funcionários faziam a troca de um equipamento do prédio. Um curto-circuito na troca de um equipamento provocou fumaça assustando pacientes e funcionários. Os bombeiros foram acionados, mas os trabalhos não precisaram ser interrompidos.

Hospital Governador Celso Ramos, localizado no Centro de Florianópolis – Foto: Daniel Queiroz/ND

No início de outubro, o Ministério Público instaurou inquérito para investigar a ausência de Habite-se e de Plano de Prevenção Contra Incêndio na unidade. Em junho, dois meses antes das chamas atingirem uma sala do prédio, os bombeiros fizeram vistoria e confirmaram a inexistência dos documentos. 

A reportagem do ND+ teve acesso ao despacho da 33ª Promotoria de Justiça da Capital. O documento aponta que o problemas se arrastam há 10 anos. Em uma vistoria dos bombeiros em novembro de 2009, foi solicitada nova apresentação do plano de Plano de Prevenção Contra Incêndio. A partir daí, todas as visitas resultaram na detecção de erros e pedidos de alteração do plano. 

Leia também

Na quinta-feira, bombeiros e MP fizeram uma vistoria no local e constataram algumas inadequações. Segundo o promotor Luciano Naschenweng, faltavam diversas placas de iluminação, sinalização, alarme de incêndio, detector de fumaças e escada específica para saída de emergência. 

Além disso, a equipe encontrou problemas no projeto estrutural do hospital. O governo do Estado informou que irá se manifestar após a divulgação do laudo de vistoria. 

O Celso Ramos foi inaugurado em 1966, tem 22.000 m² de área construída e conta com unidades de internação, emergência 24 horas, unidade de terapia intensiva, centro cirúrgico, ambulatório de especialidades, serviços de diagnóstico por imagem e de apoio à diagnose e terapia. Mais de 900 funcionários e um corpo clínico de 317 integrantes trabalham no local.

Confira a nota na secretaria:

“A Secretaria de Estado de Saúde está ciente das necessidades de melhorias e adequações no HCR e vem adotando procedimentos administrativos para solucionar tais questões. A direção do hospital aguarda o laudo sobre a vistoria.”

Mais conteúdo sobre

Saúde