Seis meses de Napoleão

Prefeito concedeu entrevista exclusiva a RIC TV Record

RETROSPECTO

Ao longo dos meus mais de vinte anos de TV, orgulho-me de algumas entrevistas, principalmente na TVE do Rio Grande do Sul, onde participei de programas com tempo para abordagens mais longas. Agora, nas entrevistas com políticos dentro de um telejornal tradicional, considero mais como uma questão “pró-forma”, que faz parte da rotina, sem maiores aprofundamentos.

EXPLICO

Assim foi no Jornal do Meio Dia desta terça-feira, na RIC TV Record. Mesmo estourando o tempo em quase o dobro do previsto, não consegui obter do prefeito Napoleão Bernardes respostas objetivas para questões importantes da cidade.

VAGO

Tenho uma tese que o político profissional responde o que quer em entrevistas mais breves na televisão e cabe a nós, jornalistas, fazermos as perguntas mais adequadas para ele. Agora, por conta do tempo, não dá para espremer. Hoje foram mais de dez temas questionados, em pouco mais de 20 minutos de conversa.

FAZ PARTE

Como vocês podem observar, saí meio frustrado da entrevista com Napoleão hoje na RIC. Deixei um monte de assunto fora e não consegui avançar em bolas que ficaram quicando.

NA ÍNTEGRA

A entrevista está no RIC MAIS. A partir de agora escrevo sobre pontos que considerei importante.

PRIORIDADE

Napoleão deixou claro que prioriza a gestão da máquina neste primeiro momento do governo, ao enfatizar que adotou “um conjunto medidas administrativas para revigorar a capacidade financeira do Município”.

OBRAS

Sobre as obras prometidas para começar em 2013 pela gestão passada, no pacote do BID, nenhuma deve iniciar neste primeiro ano de governo tucano. Ao contrário do anunciado pelo ex-prefeito João Paulo Kleinübing (PSD) a este blogueiro em 2011, ainda durante a campanha.

VAI DEMORAR

Napoleão disse estar na fase dos projetos para a construção de dois terminais urbanos, da Água Verde e das Itoupavas. E sobre a prolongamento da Rua Humberto de Campos diz que a licitação está aberta, mas o problema é outro. A Prefeitura terá que arcar com o valor das desapropriações, entre R$ 20 e R$ 22 milhões, e não tem este dinheiro. Busca parceria com o Governo do Estado.

CONVICÇÃO

O prefeito mantém sua posição sobre a localização da ponte do centro, garantindo que o projeto tucano representará mais de R$ 30 milhões de economia e será melhor para o trânsito da cidade. Ao contrário do que a administração anterior pensava.

FARTURA

Napoleão falou que sua decisão foi avalizada por mais de 100 técnicos, em várias reuniões. Como imagino que a postura dos “técnicos” da administração anterior era diferente, percebo que este é um mercado em ebulição na cidade. Está sobrando profissional para dar pitaco.

COM ISTO

As obras da ponte do centro não começam antes de 2014.

POLÍTICA

Segundo Napoleão, ele já estudava como reduzir o ISS e baixar a passagem. Mas a Prefeitura se manifestou contra a proposta de diminuir a tarifa a partir da redução do COFINS e PIS e calou-se com o requerimento apresentado na Câmara para reduzir o ISS. As duas iniciativas do vereador Jefferson Forest (PT). Uma delas, foi obtida na Justiça, a outra com a força do povo nas ruas.

SEGURANÇA

O prefeito falou que o cabeamento de fibra ótica, imprescindível para fazer funcionar as câmeras de monitoramento do Governo do Estado, está contratado, aguardando o prazo do fornecedor. Como vivemos momentos de “gestão moderna”, imagino que  não demore para entregar o serviço.

NOVO ESPAÇO

De 30 a 45 dias. Este é o prazo prometido por Napoleão para que as secretarias de Obras e Serviços Urbanos ocupem o espaço antes usado pelo Legislativo. R$ 15 mil mensais é a economia estimada com a mudança.

NÃO É PRIORIDADE

Sobre o centro de zoonoses, o prefeito foi o claro: “entra na programação do fluxo financeiro”. Quer dizer. Não tem dinheiro e há outras prioridades.

FOZ

“Deficitária de qualidade”. Este é um resumo da avaliação do prefeito sobre o serviço prestado pela concessionária. Tomara que seja mais contundente daqui para frente.

VOLTA ATRÁS

O Município não abre mão do espaço de mais de 700 m² da delegacia regional, que muda de endereço nos próximos dias. Segundo Napoleão, a Prefeitura quer o espaço, doado pelo Município ao Estado há vários anos. Não entendi, Deu e quer de volta?

ESPAÇO

Outra proposta que entrou no rol das “não prioridades” é a de criar uma Guarda Municipal. O prefeito alegou “questão orçamentária” e disse “que vai acontecer esta discussão com a sociedade no médio prazo”. Discutir o que, ele não prometeu?

IGUAL AO JOVINO

Sobre a fiscalização eletrônica no trânsito, Napoleão repetiu o vice-prefeito e veio com o discurso da legalidade, para justificar a demora na licitação. Não é o que diz o SETERB.

TANGENTE

Perguntei a Napoleão se o governo dele seria conhecido como o que acabou com os trajes típicos na Oktoberfest, conforme projeto de lei do Executivo que estipula a meia entrada, ao contrário da gratuidade de hoje. Ele veio com esta: “fazer governo é não criar factoide, com hipocrisia e demagogia.”.

ISTO TUDO…

Para dizer que o projeto de lei que restringe a entrada visa atender um termo ajustamento conduta do Ministério Público, que pediu uma política clara de controle de acesso ao publico na Oktoberfest.

NÃO

O MP pediu para regular a entrada, evitando aquele excesso de público,  perigoso nos pavilhões. Há um limite e deve ser regulado. Já a  preocupação da Prefeitura é com a arrecadação da festa.

PARA FINALIZAR

Napoleão é um político novo, mas como poucos, sabe se comunicar, a partir da sua experiência pessoal. Está cheio de boas intenções e suas argumentações são razoáveis, pelo menos por enquanto. Ainda, afinal são só seis meses. Mas este discurso terá que mudar com o passar do tempo.