Sem demagogia no combate ao Aedes aegypti

Tem gente que, ao invés de ajudar, fazer a sua parte, prefere apontar o dedo para o poder público. A responsabilidade por esse desafio de saúde pública é de todos

Acredite: em Florianópolis a questão do mosquito Aedes aegypti está sendo tratada como bandeira política, leia-se campanha eleitoral. Tudo porque, do ponto de vista de saúde, muita gente – inclusive políticos – acha que o problema é só com o poder público. Cada um tem que fazer a sua parte, inclusive deixando o proselitismo de lado para ajudar a limpar terrenos e áreas públicas, quando encontrar situações de risco. Ao invés de postar vídeos e imagens nas redes sociais, mãos à obra, que é mais bonito e correto. E à administração pública cabe, sim, o papel de coordenar, fiscalizar e até punir quem favoreça a procriação do mosquito. Estamos diante de um desafio muito sério, que despertou inclusive um alerta global da Organização Mundial da Saúde. Não é restrito ao Brasil, mas nosso país, infelizmente, por causa das condições sanitárias e da falta de educação, é um território fértil para a proliferação do mosquito transmissor da dengue, zika vírus e febre Chikungunya. A união de todos, poder público, lideranças e população em geral é que vai fazer a diferença.

Distante…

Amiga da coluna me confessou que não tem a mínima vontade de conferir as atividades carnavalescas no centro de Florianópolis. “Nem uma espiada”, disse, observando que o maior problema é a presença de “malacos”, ou seja, de gente disposta a promover baderna ou atos de violência. Perguntei-lhe: “Nem com as forças policiais ostensivas?”. E ela: “De jeito nenhum. A polícia não garante mais nada na Capital”.

… da folia

De fato, vão longe os tempos em que a folia florianopolitana era um período de convivência e alegria entre amigos e familiares. Hoje, para se ter algum tipo de segurança, só mantendo distância das grandes aglomerações, brincando em festas fechadas ou apreciando os desfiles na Passarela Nego Quirido. Ou seja, Carnaval seguro só em espaços cercados, de acesso restrito a convidados.

Banana do sítio

Na terça, 2, na feira do Largo São Sebastião, centro de Florianópolis:

– Moço, essa banana é orgânica?

– Não, senhor.

– Mas parece, por causa da cor da casca.

– É banana do sítio.

O vendedor explicou que as outras bananas, de casca amarelo vibrante, vêm da Ceagesp, a central de abastecimento de São Paulo, e em geral têm mais agrotóxicos.

Não é só a Lagoa

Sobre a nota principal de terça, 2, escreve o amigo Luiz Harding Chang (padre Chang): “Não deveria ser somente lá na Lagoa… E os outros bairros e praias? Onde está o respeito às leis? Não se encontra nenhuma praia no fim de semana sem carros com alto-falantes no máximo… E o governo? Ainda faz mais barulho com aquela pobreza de arquitetura que agride qualquer conceito de beleza chamada Nego Quirido, situada em frente a dois hospitais”.

Revolta em…

Moradores dos bairros Madri e Caminho Novo, em Palhoça, estão revoltados com a informação segundo a qual a Secretaria de Justiça e Cidadania pediu à prefeitura alvará para ampliação da Colônia Penal Agrícola. O pedido já foi negado pelo prefeito Camilo Martins, mas os moradores cobram o cumprimento da promessa, por parte do Estado, de transferência da unidade prisional para outra área, mais afastada.

…Palhoça

Líderes comunitários já estão se mobilizando para cobrar a transferência, principalmente por causa da construção de uma escola pública para dois mil alunos ao lado da Colônia Penal. O caso também deve movimentar a Câmara de Vereadores, que está retomando os trabalhos legislativos.

Balneabilidade

Nova reunião do Codeni (Conselho de Desenvolvimento do Norte da Ilha) está marcada para dia 15 deste mês, às 19h, no Centro de Convenções de Canasvieiras. Em pauta, o posicionamento de 54 entidades sobre a questão do tratamento de esgotos na região mais populosa da Ilha de Santa Catarina.

Estacionamentos

Estacionamentos da Multipark da Paulo Fontes (mercado) e Praça Tancredo Neves estarão abertos até às 6h da manhã nos dias de desfiles na Passarela Nego Quirido. Também funcionarão durante as apresentações do Skol Folia, junto com os localizados na Rua Frederico Rolla. O valor cobrado será o de sempre: R$ 4,40 a hora ou fração.

As preferidas

Rio de Janeiro e Florianópolis dominam a preferência dos usuários do buscador de hotéis Trivago entre os destinos mais procurados para o Carnaval 2016. A terceira cidade preferida pelos foliões é Natal, capital do Rio Grande do Norte. Salvador e Porto Seguro (BA) são as seguintes.

‘Fracassolândia’

“Não somos e não seremos habitantes da ‘fracassolândia’. Os novos tempos exigem que esqueçamos projetos pessoais e nos unamos em torno de um Brasil melhor, aquele que todos os brasileiros merecem”. Presidente do Senado, Renan Calheiros, na abertura do ano legislativo, na terça, 2, com a presença da presidente Dilma Rousseff.

Carlos Damião

Garibada

O belo Edifício Normandie, de estilo modernista, está ganhando uma garibada externa, depois de anos de abandono. É um dos mais importantes patrimônios históricos do Continente, localizado na Praia da Saudade (Coqueiros).

Carlos Damião

Revitalização total

Operários continuam trabalhando firme na revitalização da Praça Getúlio Vargas, um dos mais belos espaços de Florianópolis, abandonado durante mais de uma década. Isso só é possível porque a prefeitura firmou parceria com a WOA, empresa do grupo Koerich. A ideia é reinaugurar a nova paginação no dia do aniversário de emancipação da Capital, 23 de março.

Carlos Damião

Escultura

Árvore no Lago das Bandeiras, entrada da Ilha de Santa Catarina, chama atenção pela forma retorcida como se ajeitou na paisagem.

Loading...