Situação irritante

Não bastasse o fato da greve dos servidores públicos municipais se tornar desgaste e prejudicial para a sociedade joinvilense, ainda tem que se aturar a “guerra” de informações travada entre os dois lados (Prefeitura e Sinsej). Os e-mails e boletins diários sobre números de adesão ao movimento foram tão elevados que já se tornaram até dispensáveis. Para o cidadão comum, o que vale é ter de volta os serviços públicos municipais com a eficiência que se espera. Se a adesão aumentou 1% ou 2% ou diminuiu nesses patamares, pouco ou nada importa. Ao invés de pautarem as assessorias para esse jogo de lobby informativo, as duas partes da contenda poderiam buscar mais fortemente o entendimento – o chamado denominador comum.
 

Manobra
O presidente do Sinsej (Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville e Região), Ulrich Beathalter, não gostou da crítica de que se é para estender os comentários sobre a administração Udo Döhler para além dos limites de percentuais e dados sobre o trabalhador a que diz respeito, ele estaria errando ao se esquecer dos verdadeiros problemas que a cidade possui. Do alto do caminhão de som estacionado no pátio em frente à Prefeitura, ele buscou claramente a manipulação da crítica feita, ao dizer a seus comandados que “determinado radialista” estaria querendo “usar o sindicato” por causa possivelmente de brigas pessoais. Ora, Beathalter precisa estar mais bem preparado para abrir as críticas à administração municipal como um todo, caso contrário, por mais que tente desvirtuar os comentários, parecerá apenas e tão somente um sindicalista ativo – sem qualquer vocação para analista do quadro municipal como um todo.
 
 
Vitória
Em meio a um batalhão de más notícias e de situação tensa com relação à paralisação dos servidores, Udo conseguiu pelo menos uma grande vitória esta semana. Quando a Justiça liberou convênio para a contratação de médicos em decisão do Tribunal Regional do Trabalho, derrubando liminar que suspendia parceria, o prefeito viu a tão sonhada luz no fim do túnel para ver a fila andar na Saúde. Isso, entretanto, ainda é apenas um detalhe, pois dependerá da eficiência da Secretaria da Saúde na contratação dos profissionais. Agilização se faz urgente e imperiosa, sob pena de o tiro sair pela culatra e, o que é vitória hoje, significar mais uma barreira a ser vencida amanhã.
 

Fabrício Porto/Arquivo/ND

Servidores municipais na última segunda (19), diante da Prefeitura, na assembleia que deflagrou a greve.

 
  
 

EM ALTA – Joinvilense. O cidadão da maior cidade do Estado é um herói e provou isso, mais uma vez, nos últimos dias. Não bastasse a péssima qualidade nos serviços públicos que recebe, ainda sobrevive de cabeção em pé à greve dos servidores, que afeta ainda mais o quadro.

EM BAIXA – Joinvilense. Sensação é de passividade perante à paralisação dos servidores, uma mostra clara de que a paciência está no limite. Se confunde apoio a este lado ou àquele, julgando a eficiência de uma administração e não aos pontos determinantes que originaram a greve.
 

CVJ/Arquivo/ND

Mau exemplo do bem
Vereador Dorval Pretti (PPS) resolveu investir na contrainformação para tentar amenizar o fato de que foi pego em flagrante recebendo mais que o prefeito Udo Döhler, o que é proibido constitucionalmente. Após devolver aos cofres públicos o que recebera acima do teto regimental, vem se vangloriando pelo arquivamento do processo aberto pelo Ministério Público contra ele. Ora, o arquivamento só foi possível pelo fato de ter devolvido o excedente. E só devolveu (depois de muito pestanejar) após denúncia feita nesta coluna. Risível! O que Pretti pode se vangloriar é de que tenha servido de exemplo a outras pessoas. Mais gente teria devolvido dinheiro aos cofres públicos pelo mesmo motivo. Só que antes de terem sido flagrados.

 
À parte
Se fosse uma cidade, Pirabeiraba (onde está localizado o Distrito Industrial de Joinville) já estaria entre as dez principais economias de Santa Catarina. Seria um município de destaque no Sul do país. Não é à toa, portanto, que a política graceje forte e voraz na região. As disputas internas são grandes e as apostas igualmente. O distrito joinvilense poderá contar com pelo menos quatro candidatos a deputado estadual. Três são tidos como certos nessa disputa, todos vereadores: Odir Nunes (SDD), Fábio Dalanso (PSDB) e Sidney Sabel (PP). Os três conquistaram votos fartos por toda Joinville quando candidatos a vereador. Agora, porém, se quiserem realmente chegar à Assembleia Legislativa, terão de ir além. É nesse ponto que se questiona a força de cada um no além-Joinville.
 
 
 
DIRETAS
 
– Depois da Expogestão, vem aí mais um grande evento para Joinville. A Exposuper – Acats 2014, que ocorre de 3 a 5 de junho, a convenção catarinense de supermercadistas. Também, em paralelo, a 27ª Feira de Produtos, Serviços e Equipamentos para Supermercados. Vai ser no Complexo Expoville.

– Monsenhor Bertino Weber completa jubileu de ouro (50 anos de sacerdócio) e vai marcar a data com duas missas de ação de graças na Catedral São Francisco Xavier. A primeira dia 20 de junho e a outra, dia 22. A primeira às 19h30 e a segunda, às 10h.

– Não convidem para a mesma mesa os dois candidatos a candidato a deputado estadual pelo PMDB: João Carlos Gonçalves, presidente da Câmara de Vereadores, e Dalmo Claro, ex-secretário da Saúde e presidente do diretório peemedebista.

– Alguém pode dizer onde estão os políticos que se dizem líderes em Joinville? O momento que se impõe atualmente é de presença urgente aqui e a busca pelo fim do movimento paradista dos servidores.

– Copa do Mundo da Fifa vai servir para que a classe política fique no aguardo e consequente “aquecimento” rumo à campanha eleitoral propriamente dita. Ninguém vai queimar cartucho com as atenções da população, que estarão voltadas para o futebol.

– A Copa também é o temor dos grevistas. Com a chegada do evento, o espaço na mídia para se falar de greve será menor e com bem menos importância o que tenderia a enfraquecer o movimento.

– A partir das 16h da quinta, Dia dos Namorados, deve-se redobrar vigilância nas BRs. Motivo seria o jogo do Brasil na abertura da Copa. Pelos antecedentes, imagina-se que a partir desse horário, nessa data, bandidos aproveitem para trafegar com mais tranquilidade nas rodovias. O jogo começa às 17h.

– De longe, Patrício Destro (PSB) é o mais animado dos pré-candidatos a deputado estadual. Se o fato é apenas bem-estar ou indução a alguma linha de raciocínio, só o tempo dirá. De qualquer forma, o vereador-repórter finalmente será candidato ao cargo que sempre almejou.

– Estranho… O PT até agora está quieto demais com relação à greve dos servidores. Será que o fato das contas do ex-prefeito Carlito Merss não terem sido votadas na Câmara tem algo a ver?