Suplente de vereador de Porto Belo é preso ao receber propina de fraude fictícia

A Polícia Civil de São João Batista, no Vale do rio Tijucas, prendeu nesta terça-feira (25) o suplente de vereador de Porto Belo Neri Gervasoni (PRB), enquanto ele recebia propina de uma suposta fraude numa licitação de serviço funerário na cidade de Itapema. Durante as negociações com um empresário de Nova Trento, ele dizia ter influência política e alegava total acesso aos vereadores para facilitar a assinatura do contrato. A prisão aconteceu no ato da entrega do dinheiro.

Segundo o delegado Vinícius Benedet Brandão, parlamentares de Itapema procuraram a polícia informando que Gervasoni usava o nome dos agentes públicos para obter vantagem financeira. Ele teria cobrado uma propina de R$ 8 mil do proprietário da funerária, garantindo o favorecimento da empresa. Teria dito que R$ 6 mil seriam repassados aos vereadores.

“Acompanhamos a tratativa, que ocorreu na cozinha de uma residência e quando ele solicitou o dinheiro fizemos a prisão em flagrante. No interrogatório ele confessou que utilizava de uma falsa influência, usando vereadores e um assessor de deputado que não existe”, conta.

O empresário teria repassado os primeiros R$ 6 mil. Deixou a segunda parte para entregar depois e combinou a campana com a polícia. “Ele conseguiu convencer o senhor de Nova Trento que ele tinha de fato influência em Itapema. Mas, quando foi preso, disse que não tinha contato com os vereadores. O que ele fez é estelionato agravado”, comenta. Preso, Gervasoni foi encaminhado à delegacia. Depois os policiais fizeram a condução do suplente ao Presídio Regional de Tijucas.

Região

Nenhum conteúdo encontrado