Suspeito de matar Fabiane estava acampado na trilha onde ocorreu o crime, no RJ

O homem de 21 anos apontado como principal suspeito de matar a moradora de Florianópolis Fabiane Fernandes32 anos, estava acampado na trilha onde ocorreu o crime em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro. O suspeito também estaria na região como turista. O crime ocorreu  em 18 de novembro em local conhecido como Morro da Cabocla. A perícia também apontou que a mulher foi vítima de violência sexual. 

Catarinense Fabiane Fernandes, 32 anos, estava a passeio no Rio - Reprodução/Facebook
Catarinense Fabiane Fernandes, 32 anos, estava a passeio no Rio – Reprodução/Facebook

 

Conforme o delegado responsável pela investigação, Renato Mariano, testemunhas disseram que o viram tanto na trilha quanto na rodoviária de Arraial do Cabo. Há relatos de que ele estaria nervoso e com arranhões pelo corpo que podem ter sido provocados pelos arbustos. A mulher foi encontrada morta três dias após o crime, cerca de 30 metros distante da trilha, no meio da mata. 

A prisão do suspeito ocorreu após operação da polícia do Rio e de São Paulo. O rapaz foi encontrado por volta das 10h em uma clínica psiquiátrica. Ele ficará preso temporariamente por 30 dias, enquanto as apurações são concluídas. O delegado pretende tomar o depoimento dele tão logo chegue à delegacia. A previsão é de que o procedimento ocorra até a manhã de sábado (15). Na sequência, o homem será encaminhado para o sistema prisional. 

Mariano explicou que o suspeito havia se internado na clínica em São Paulo para fazer tratamento psiquiátrico. Caso a polícia verifique a possibilidade de algum distúrbio, o delegado acionará a Justiça para solicitar laudo pericial.

Fabiane foi velada e sepultada no Cemitério Municipal do Rio Vermelho no domingo seguinte à morte. A família contou com apoio financeiro da prefeitura de Arraial do Cabo para fazer o transporte do corpo até Florianópolis. A despedida foi marcada por indignação. 

O fato de Fabiane supostamente ter ido sozinha a um local afastado, em uma cidade que não conhecia, foi algo que intrigou amigos e familiares que a descreveram como cuidadosa e responsável no dia do sepultamento. “A Fabiane sempre foi uma pessoa de boa índole. Se dava bem com todo mundo. Ela nunca foi irresponsável. Cuidava da mãe, do filho e do irmão. Queremos que os fatos sejam esclarecidos, queremos respostas, e enquanto isso não ocorrer, não ficaremos em paz”, relatou Alex Benício, amigo de infância da vítima.

 

Polícia