Altas temperaturas preocupam pescadores artesanais com a captura da tainha em SC

Atualizado

Antes do início da safra da tainha deste ano, a expectativa era animadora. Os pescadores esperavam superar a temporada de 2018, e estimavam um total de 2,5 mil toneladas de peixe na pesca artesanal – no ano anterior o total foi de 1,2 mil toneladas. A realidade, porém, é diferente.

Na manhã desta terça-feira (11), foram pescados 3 mil kg de tainha na Barra da Lagoa – Joyce Reinert/ND/Arquivo

Mais de um mês já se passou desde o início da safra e apenas duas capturas expressivas aconteceram. A primeira delas foi no sábado (8), quando duas toneladas de tainha foram capturadas no Campeche, no Sul da Ilha.

A segunda ocorreu na manhã desta terça-feira (11), na Barra da Lagoa. Ivo da Silva, presidente da Fepesc (Federação dos Pescadores do Estado de Santa Catarina), confirmou que foram pescados 3 mil quilos de tainha. Ainda nesta terça, mais 600 peixes foram capturados no Santinho, no Norte da Ilha.

Temperaturas atrapalham

Os próximos dias também não trazem grandes expectativas para os pescadores, conforme Ivo. A previsão do tempo aponta temperaturas elevadas e tempo firme, o que dificulta a pesca.

Nesta semana, os termômetros devem chegar na casa dos 30°C e essa condição de calor intenso deve permanecer por pelo menos 10 dias.

Para Ivo da Silva, apesar de um início fraco na safra, a expectativa é de que as coisas comecem a melhorar quando a temperatura cair.

“Ainda podemos alcançar a nossa expectativa inicial. Quando começar a esfriar, a partir do dia 20, com certeza a pesca vai melhorar. Ainda não esfriou, mas podemos alcançar nossa expectativa com a chegada do frio. Com o vento Sul entrando, devemos atingir uma expectativa de 1,5 mil a 1,8 mil toneladas de tainha em 2019”.

Leia também:

Alta qualidade dos peixes

O presidente da Fepesc também se disse animado e satisfeito com a qualidade dos peixes. Ele afirmou que os lanços desta semana na Barra da Lagoa, e também em Imbituba e Laguna (300 kg e 400 kg respectivamente), são de peixes de corso, gordos, saborosos e de muita qualidade.

A região em que a pesca tem sido mais bem sucedida até o momento é na Ilha de Santa Catarina. Além das capturas no Campeche e na Barra da Lagoa, o presidente destaca outras capturas relativamente bem sucedidas, na Prainha e nos Ingleses, com cerca de 400 kg.

A captura mais expressiva até o momento aconteceu no sábado (8) no Campeche, foram pescadas 2 toneladas de tainha – Anderson Coelho/ND

Em relação à presença das embarcações para pesca industrial, que poderia dificultar ainda mais o trabalho dos pescadores, Ivo se mostrou tranquilo. O presidente destacou que neste ano ainda não foi necessária a disputa de “terreno”, o que tem beneficiado os pescadores artesanais apesar da safra abaixo da expectativa até o momento. No ano passado, a pesca industrial capturou 7,2 mil toneladas.

Geral