Testemunhas de agressão em supermercado de Florianópolis devem depor até sexta, diz defesa

Atualizado

Testemunhas que presenciaram o momento em que um segurança agride um jovem dentro supermercado Big, em Florianópolis, devem prestar depoimento ainda nesta semana, segundo informações repassadas pela defesa.

O delegado que acompanha o caso – Atílio Guasperi Filho, da 5ª DP da Capital – não quis comentar sobre o andamento do inquérito para não atrapalhar as investigações.

Renan Rodrigues foi agredido dentro de supermercado em Florianópolis – Foto: Divulgação/ND

O caso aconteceu na última terça-feira (7), na unidade localizada no shopping Iguatemi,no bairro Santa Mônica. Na ocasião, o estudante de Design da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), Renan Rodrigues, 25 anos, foi abordado de forma truculenta por um dos seguranças do estabelecimento.

O agressor teria acusado o jovem de roubo e ‘formação de quadrilha’ e o forçado a caminhar até os fundos da loja, onde acabou sendo arrastado pelo chão. Renan registrou boletim de ocorrência, fez exame de corpo de delito e quer processar a empresa por danos materiais e morais, além de entrar com ação criminal por lesão corporal e suposta injúria racial.

Aguardando os depoimentos

Segundo o advogado de defesa, Eduardo Herculano Vieira de Souza, um casal que estava passando as compras no caixa na hora do ocorrido servirá como testemunha. Eles foram arrolados no inquérito nesta segunda-feira (13) e avisados para prestar depoimento.

“A expectativa é que até esta sexta (17) seja coletado o depoimento de todos os envolvidos: as testemunhas que presenciaram a cena, a empresa, e o segurança que agrediu o jovem”, afirma Souza.

Ainda de acordo com a defesa, Renan prestou depoimento e o exame de corpo de delito foi anexado ao processo. Tanto a defesa quanto o delegado  responsável pelo caso já tiveram acesso às imagens das câmeras de monitoramento do supermercado.

“Em uma delas, é possível ver o cliente entrando no estabelecimento e, na saída, o instante em que o segurança dá uma chave de braço e de pescoço nele e o conduz para dentro da loja, levando-o para os fundos. Lá, outra câmera filma com menor nitidez Renan tentando se desvencilhar do segurança, há um ‘burburinho’ das pessoas em volta e o segurança o arrasta pelo chão”, conta o advogado.

Souza afirma que solicitou, via inquérito, que a empresa também forneça as imagens das câmeras localizadas nos fundos da loja, que devem ter captado as cenas em que o jovem é arrastado pelo chão.

“Embora a matriz do grupo Big tenha manifestado interesse em fazer um possível acordo, até o momento nenhum contato foi feito”, completa o advogado.

Supermercado rompe contrato com empresa de segurança

Ao saber do ocorrido, o Big emitiu uma nota oficial afirmando que rompeu o contrato com a empresa terceirizada responsável pela segurança no supermercado. Também afirmou que “estuda outras medidas cabíveis com relação à empresa terceira”.

Confira a nota na íntegra:

“O BIG informa que, assim que tomou conhecimento do ocorrido em nossa loja de Florianópolis (SC), interrompeu os serviços prestados pela equipe terceirizada da loja na qual o segurança envolvido trabalha e estuda outras medidas cabíveis com relação à empresa terceira. Repudiamos veementemente qualquer ato de desrespeito e violência em nossas lojas.

A empresa entrou em contato com o cliente que passou por essa lamentável situação, colocando-se à disposição para toda assistência necessária e reforça os sinceros pedidos de desculpas ao cliente.

O BIG enfatiza que são princípios fundamentais de sua atuação o respeito ao próximo e aos valores éticos e morais.”

Mais conteúdo sobre

Polícia