Conteúdo por Gazeta Esportiva

Tite exalta Fernandinho e explica previsibilidade nas substituições

Atualizado

A Seleção Brasileira já começava a namorar os momentos dramáticos que estariam por vir no segundo tempo do embate com a Venezuela quando Tite resolveu chamar Fernandinho.

De imediato, o público demostrou toda sua insatisfação. Era natural que se esperasse outro jogador, talvez Everton Cebolinha, afinal, o Brasil precisava de gol. Mas, o receio pela expulsão de Casemiro falou mais alto para o técnico canarinho.

A pressão externa em cima de Fernandinho não é de hoje. O peso do 7 a 1 em 2014 e da queda para a Bélgica na Copa do Mundo da Rússia não desgrudam do volante do Manchester City.

Tite, porém, fez questão de deixar claro que nada disso lhe importa enquanto comandante da Seleção Brasileira.

“Se isso pesasse eu não o colocaria. O atleta tem de trabalhar na pressão, todos eles têm. É o jogador que foi considerado da seleção da Premier League. Eu não posso ficar preconcetuando (sic). Temos de ter esse discernimento”, avisou.

Além do descontentamento pela entrada de Fernandinho e o anseio por Everton, já há quem se pergunte o motivo de Tite não ter aberto mão de um dos volantes para, de fato, tornar a equipe ainda mais ofensiva. Não é incomum, em situações semelhantes, técnicos sacarem jogadores de contensão para apostarem na pressão de ataque.

Mas o treinador da Seleção Brasileira também deixou claro que essa expectativa não deve ser criada sobre o seu trabalho. A estrutura do Brasil, segundo explicou Tite, provavelmente será mantida até o fim, independente da circunstância.

“Trabalhar taticamente e manter a rotina. O atleta reproduz o que é treinado. Eu não tenho toda essa intenção de botar um volante (no banco) e um atacante (…) Sou incompetente para isso, botar um volante (no banco) e trazer um meia lá (no campo), se não tiver uma estrutura toda montada. (Tem de) treinar para essas possibilidades”.

Ainda assim, Tite deixou claro que as vagas estão abertas no time, principalmente em relação aos atacantes. Everton Cebolinha e Gabriel Jesus podem ganhar oportunidade. Richarlison, Neres e Firmino estão sob pressão.

A próxima partida é contra o Peru, na Arena Corinthians, sábado, às 16h (de Brasília). O Brasil precisa da vitória para se classificar às quartas de final da Copa América sem depender de nenhum outro resultado.

Copa América