Toxinas interditam o cultivo de ostras, mexilhões e berbigões em Balneário Camboriú

Atualizado

A toxina diarréica voltou a aparecer nos cultivos de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões de Balneário Camboriú. A presença da toxina levou a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural interditar, nesta quarta-feira (14), a produção.

Áreas de cultivo de ostras, mexilhões e berbigões está interditada em Balneário Camboriú – Reprodução/RICTV Record TV

Segue proibida a retirada, comercialização e o consumo destes animais e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia nas localidades de Barra, Canto da Praia e Laranjeiras.

A medida foi necessária após exames laboratoriais detectarem a presença de ácido ocadaico nos cultivos de moluscos bivalves da região. Quando consumida por seres humanos, essa substância pode ocasionar náuseas, dores abdominais, vômitos e diarreia.

Além de Balneário Camboriú, seguem interditados desde o dia 2 de agosto os cultivos de Bombinhas e Porto Belo. A Cidasc (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) segue monitorando as áreas de produção e arredores. Os cultivos serão liberados após dois resultados negativos e consecutivos para a presença de toxinas nos moluscos.

Leia também: 

O gerente de Aquicultura e Pesca da Secretaria da Agricultura, Sérgio Winckler, explica que este é um fenômeno natural no Litoral catarinense e que acontece devido à proliferação de micro-organismos na água.

“O monitoramento dos cultivos é uma rotina em Santa Catarina, seguiremos com a coleta e acompanhamento dos cultivos para que a liberação aconteça dando toda segurança para os consumidores e maricultores”, ressalta.

Monitoramento constante

Santa Catarina é o maior produtor nacional de moluscos e o único Estado do país que realiza o monitoramento permanente das áreas de cultivo. O Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva, dando garantia e segurança para os produtores e consumidores.

Saúde