Transferência da estrutura do 21º BPM de Jurerê para a SC-401 está causando polêmica

Todo mundo quer a polícia perto de casa porque se sente mais seguro. Quando um aparato muda de endereço, como ocorreu com o 21º BPM (Batalhão da Polícia Militar), que funcionava na SC-402, os vizinhos reclamam. A mudança repentina para um centro comercial na SC-401 criou polêmica entre as comunidades dos bairros Jurerê Internacional, Jurerê Tradicional e Daniela. A Ajin (Associação de Proprietários e Moradores de Jurerê Internacional) se diz prejudicada e desguarnecida pelo afastamento da polícia.

Corporação da SC-402 conta com efetivo de mais de 200 militares - Marco Santiago/ND
Corporação da SC-402 conta com efetivo de mais de 200 militares – Marco Santiago/ND

O comandante do batalhão, tenente-coronel Sinval Santos da Silveira, disse que as rondas na região de Jurerê Internacional continuarão a ser realizadas, normalmente, e explicou que a transferência ocorreu porque o prédio da SC-402 passará por readequações. “Há infiltrações no telhado e nas paredes, além de outros problemas”, afirmou.

Ainda de acordo com o oficial, a transferência da estrutura para o centro empresarial é provisória. “Nossa intenção é construir um novo prédio para a sede do batalhão em outro local, por meio de parceria público-privada”, disse.

Segundo Silveira, o aluguel temporário será bancado pela Polícia Militar, mas o Estado também busca parcerias com empresas para a construção de uma nova companhia de polícia no bairro Jurerê.  “Seria o desmembramento do que nós temos hoje em uma nova sede para o batalhão, em local mais centralizado e adequado, e manter uma estrutura de Polícia Militar em Jurerê Internacional . É uma reformulação do plano de articulação do 21º BPM, já que o Norte da Ilha cresceu muito, para todos os lados, e o batalhão não pode ficar deslocado”, afirmou.

O comandante lembrou que antes do batalhão existir já havia uma unidade da Polícia Militar na SC-402. Porém, o prédio ficou pequeno e inadequado para o batalhão, inaugurado em 2009. Mesmo assim, o 21º BPM com efetivo de mais de 200 militares funcionou ali durante nove anos.

Silveira afirmou que estão sob sua jurisdição 17 bairros do Norte da Ilha. Ele ressaltou que o policiamento ostensivo vem dando resultado e afirmou que homicídios caíram 44% e roubos 18%. “Além disso, apreendemos 84 armas este ano, entre elas fuzis, com o crime organizado”, contou.

O presidente da Ajin, Bernardo Boiteaux, desconfia da mudança tão rápida no início da temporada de verão para uma área empresarial. “Por que o batalhão não mudou para os Ingleses, bairro onde concentra o maior número de ocorrências e tecnicamente o mais perigoso?”, questionou.

Bernardo acredita que a transferência pode estar relacionada a um acordo empresarial para custear o novo prédio num terreno do Estado localizado na SC-401. De acordo com o presidente da Ajin, o custo financeiro para as reformas na unidade militar na SC-402 estava sendo tratado com as associações, Consegs (Conselhos de Segurança) e governo do Estado. “De repente fomos surpreendidos pela transferência no início da temporada, quando a segurança precisa ser redobrada”, afirmou. Conforme Bernardo, a presença de uma unidade militar, com a movimentação de policiais armados, inibe a criminalidade.

Mais conteúdo sobre

Cidade