Trapiche do Centro Histórico de São José tem história e beleza

Atualizado

Trapiche tem a linha do tempo de São José – Foto: Marcela Ximenes/ND

Os finais de tarde no Centro Histórico de São José não são mais os mesmos desde que uma revitalização deu ao local o valor e a importância que merece. Afinal, foi ali que nasceu São José da Terra Firme e começou a história do quarto maior município de Santa Catarina.

História que está contada em forma de desenhos, quadros e poemas no trapiche, uma das maiores atrações do Centro Histórico, especialmente em dias ensolarados. Os raios de sol refletem no piso multicolorido e podem provocar muitos devaneios em quem se perde a ler e admirar a obra de arte de quase 80 metros.

A linha do tempo de São José, que nasceu São José da Terra Firme, foi idealizada pelo artista plástico Plínio Verani, que também é o autor do monumento em homenagem às primeiras famílias açorianas a desembarcarem em terras josefenses. O Monumento aos Açorianos, na Praça Arnoldo de Souza – em frente à Câmara Municipal, foi inaugurado em 2002 em comemoração ao aniversário de 250 anos da cidade.

Hardouan Daaou sugere que ideia da linha do tempo seja adotada por outras cidades – Foto: Marcela Ximenes/ND

Surpreendido pelo trabalho executado pelo artista, Hardouan Daaou defende que a ideia poderia ser levada a outras cidades. O comerciante francês mora atualmente em Juiz de Fora (MG), mas conhece São José há algum tempo. Ele conta que morou na cidade por seis meses e que nunca mais perdeu o vínculo.

“Eu gosto muito daqui, acho um lugar bonito e tranquilo. Foi muito bom voltar e encontrar esse lugar (o trapiche), a ideia é sensacional e poderia ser copiada por outras cidades”, comenta Daaou. Para ele, o trapiche representa a sensibilidade do artista e isso é um incentivo ao visitante sentar e contemplar toda a beleza que circunda a obra de arte.

Luciana Godinho escolheu São José para morar – Foto: Marcela Ximenes/ND

Foi o Centro Histórico, os índices positivos da cidade e, principalmente, a acolhida que fez a fotógrafa Luciana Godinho a escolher São José para morar. O trapiche já é um dos locais preferidos da nova moradora. “Sensacional você poder conhecer a história da cidade dessa forma. Eu já havia lido sobre São José e achei muito legal o que fizeram aqui”, diz.

Segundo a Fundação Municipal de Cultura e Turismo de São José, o Centro Histórico recebe entre três e quatro mil pessoas por mês desde a revitalização inaugurada em setembro passado.

Diego Paradeda, Rejane Chaga e José Inácio Paradeda visitam o Trapiche do Centro Histórico de São José – Foto: Marcela Ximenes/ND

Guia turístico dos pais

Diego Paradeda mora há sete anos em São José, periodicamente recebe os pais e nos dias de visita assume a função de guia turístico. Para impressionar e não perder o cargo, o estudante levou o pai José Inácio Paradeda e madrasta Rejane Chaga para conhecer o trapiche. Todos ficaram impressionados. “Nós gostamos da cidade e essa espaço aqui valorizou ainda mais o lugar”, comenta Rejane. O casal mora em Natal (RN) e aproveita as férias para conhecer a cidade que Diego escolheu para morar.

Passeio em família

Os pais da bebê Luiza, de um ano e seis meses, Josué Alexandre e Maria Alice a levaram para passear pela beira-mar do Centro Histórico. A primeira parada foi para fotos no letreiro com o nome de São José. O casal de Corumbá (MS) está passando férias na cidade hospedado na casa de parentes. Eles conhecem São José e gostam de voltar. “A cidade é bonita, bem tranquila e tem uma boa variedade de restaurantes e passeios. Agora ficou ainda mais bonita com esse trapiche”, afirma Maria Alice.

Josué, Maria Alice e Luiza visitam pela primeira vez o trapiche – Foto: Marcela Ximenes/ND

Os amigos Maria Caroline Richter, Tati Itat e Jonatan Saldanha estão passando uns dias em São José e chegaram ao trapiche meio por acaso. “Nós saímos para correr de manhã e viemos parar aqui, ainda não conhecíamos e achamos lindo”, relata Caroline. Eles voltaram à tarde para passear e aproveitar as espreguiçadeiras. Com eles, levaram a aposentada Erica Malman, que diz estar encantada. “A cidade é muito caprichosa. Isso aqui é lindo”, afirma Erica.

Jonatam Saldanha, Ercia Malman, Tati Itat e Maria Caroline Richter ‘descobriram’ o trapiche pela manhã e retornaram à tarde para visitar – Foto: Marcela Ximenes/ND

Turismo