Três homens acusados de linchamento em Palhoça são liberados pela Justiça

Atualizado

Os três homens suspeitos de participarem do linchamento até a morte de Deivid Duarte da Silva, de 20 anos, em um posto de gasolina de Palhoça, foram liberados pela Justiça na manhã desta quinta-feira (14). A 5ª Câmara Criminal do TJSC concedeu habeas corpus aos réus.

Habeas corpus foi concedido aos três acusados, mas eles terão que cumprir uma série de medidas cautelares – Foto: Divulgação/ND

Para que a liberdade fosse concedida, os acusados terão que cumprir uma série de medidas cautelares determinadas pela juíza Cintia Werlang, da 1ª Vara Criminal de Palhoça. Também está marcada para o dia 17 de dezembro uma audiência de instrução e julgamento.

Leia também:

Foram quatro medidas cautelares especificadas pela juíza para que a liberdade fosse concedida:

  • comparecimento semanal em juízo, ao menos até a data da audiência de instrução e julgamento, e comparecimento a todos os atos do processo;
  • proibição de mudar de endereço sem prévia comunicação ou se ausentar da comarca em que reside por mais de oito dias;
  • recolhimento domiciliar e noturno no período das 20h e 6h, inclusive aos finais de semana;
  • não delinquir, tudo sob pena de decretação da prisão preventiva.

Caso algum dos réus descumpra alguma das medidas cautelares, será novamente preso preventivamente.

A reportagem do ND tentou contato com o advogado de defesa dos acusados, Osvaldo José Duncke, mas não obteve sucesso.

Relembre o caso

Na tarde do dia 17 de setembro, três homens foram detidos por participação no linchamento de Deivid Duarte da Silva em um posto de gasolina no bairro Aririú, em Palhoça. O SAMU (Serviço de Atendimento Médico de Urgência) chegou a ser acionado, mas a vítima não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo no local.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Arthur de Oliveira Lopes, um dos três detidos seria um motorista de aplicativo, o qual teria reconhecido a vítima como sendo um dos dois autores que roubaram seu carro na noite anterior ao linchamento.

Os agressores chegaram de carro e de motocicleta, e atacaram o Deivid quando ele parou para abastecer no posto de gasolina.

Imagens das câmeras de monitoramento do posto e de comércios adjacentes e até mesmo de pessoas que teriam filmado a cena ajudaram na identificação dos suspeitos.

Polícia