Carnaval impecável em Florianópolis

Nem a chuva impediu a diversão nas ruas da cidade: escolas brilharam na avenida, blocos fizeram a alegria dos foliões durante o sábado

Rosane Lima/ND

Desde o Enterro da Tristeza, na quinta-feira, até o desfile oficial das escolas de samba, no sábado e domingo (15), o que se viu nas ruas de Florianópolis foi muita diversão. Mesmo com a chuva persistente – e assustadora na noite de sexta-feira –, não faltou empolgação e nem alegria entre os foliões. A capital catarinense repetiu a tradição de ter um dos melhores carnavais do Brasil, bem organizado de modo geral, atraindo moradores e turistas de todas as partes. Na Passarela Nego Quirido, que recebeu o grupo de acesso no primeiro dia, mesmo sob chuva torrencial, a Liesf (Liga das Escolas de Samba de Florianópolis) comprovou sua competência como entidade organizadora dos desfiles, um trabalho impecável, que significa a inteira profissionalização do nosso Carnaval. E nas ruas os blocos de sujos (chamados de “limpinhos” este ano por causa das pancadas de chuva constantes) garantiram a felicidade geral durante a tarde e noite de sábado. Nenhum incidente grave foi registrado, graças ao trabalho conjunto das polícias, em especial a PM, com a colaboração da Guarda Municipal. Até aqui, tem sido um Carnaval de categoria.

Samba e paixão

As escolas de samba de Florianópolis estão a cada ano melhores, caprichando mais, acrescentando novos elementos a seus desfiles, chamando a atenção do público e empolgando suas torcidas. Aliás, as paixões aparecem não só nas arquibancadas e camarotes, como também na pista da Nego Quirido. Muita gente devota carinho especial e chega a se emocionar quando a escola favorita entra na passarela.

Depredação

Um dos pontos negativos do sábado foi registrado na Praça 15 de Novembro, com o total desrespeito, por parte de grupos de foliões, a um dos espaços verdes mais importantes de Florianópolis. Muita sujeira e depredação de canteiros e árvores marcaram a tarde e noite de sábado. Talvez para os próximos anos uma boa providência seja a proteção dos jardins com cercas.

Pop Gay

E nesta segunda (16) tem o tradicional Pop Gay, na região do Terminal Cidade de Florianópolis, uma das atrações mais aguardadas todos os anos, com a presença de visitantes brasileiros e estrangeiros. Estarei no júri, representando o ND, para a escolha da melhor performance entre os artistas que subirão ao palco.

Equipe ND

Quatorze profissionais do ND atuaram na cobertura do Carnaval, não apenas para a edição impressa, mas também para a transmissão on-line, via portal RIC Mais. Equipe aguerrida, entre repórteres, editores, fotojornalistas e pessoal de apoio, garantindo a melhor informação para o público até o amanhecer de domingo (15).

Transtorno

Quando construída, na década de 1980, a Passarela Nego Quirido foi uma solução importante para o Carnaval de Florianópolis, afastando os desfiles da apertada região do centro histórico. Mas a cidade cresceu e a passarela tornou-se um problema sério para a mobilidade urbana nas noites de eventos, causando mais transtornos do que alegria.

Solução

O que se viu nas noites de sexta e sábado foi um absurdo em termos de desorganização urbana: muita gente ficou presa nos automóveis durante horas, por causa da dificuldade de acesso aos estacionamentos mais próximos da Nego Quirido. A velha ideia de se construir a Cidade do Samba no aterro da Via Expressa Sul sempre reaparece nesses momentos de dificuldades.

Planejamento

Mas, caso seja possível transferir a passarela para a Via Expressa Sul – a questão está até hoje apenas no campo das boas intenções -, é preciso planejar e pensar em tudo, principalmente nos acessos e estacionamentos. O que não pode é, a cada ano, transformar a chegada ao local dos desfiles num inferno para o público em geral.

Sem alternativas

Talvez por causa da imobilidade total no miolo central de Florianópolis, era difícil encontrar ônibus e táxis na noite de sábado. O que fez muita gente tirar o carro da garagem e se dirigir à região da Nego Quirido, tornando a situação do trânsito praticamente inadministrável, tanto para a Polícia Militar, quanto para a Guarda Municipal.

Barra pesada

Com a segurança reforçada nos bairros que realizam atividades carnavalescas e na área central de Florianópolis, os bandidos se aproveitaram da situação para cometer crimes nas regiões mais vulneráveis. Foi o que houve entre Cacupé e Monte Verde, resultando na morte de três suspeitos, depois de tiroteio com a PM. 

Perda

Foi enterrado no sábado (14), no cemitério Jardim da Paz, em Florianópolis, o corpo da professora Soni de Carvalho, 64 anos, ex-diretora da Etfsc (Escola Técnica Federal de Santa Catarina), atual IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina). Soni morreu na sexta-feira, vítima de câncer. Sua gestão na antiga Etfsc, entre 1994 e 1998, foi marcada por inovações administrativas, mas principalmente pela modernização democrática da instituição.

Turismo

A Secretaria de Turismo de Florianópolis abriu vaga para estagiários – alunos de turismo e áreas correlatas – que vão atuar nos CATs (Centro de Atendimento ao Turista). Devem ter inglês fluente ou espanhol fluente (indispensável). Currículos para leka19@hotmail.com.

Formação

Por falar em profissionalização do turismo, o IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina) tem inscrições abertas até dia 27 deste mês para o curso Proja Técnico em Guia de Turismo, voltado a pessoas que queiram concluir os estudos de ensino médio e receber formação técnica na área. Informações no www.ifsc.edu.br.

Contexto

“A má educação do povo brasileiro concorre com a maldita corrupção brasileira que, com sua irmã impunidade, corrói o erário e as instituições de uma maneira geral”. Frederick Gondin, por e-mail.

Pioneiras 

Divulgação

Kelli Augustinho de Souza e Mari Cristiane de Matos (foto) são pioneiras, em Florianópolis, nas atividades de roçagem e capinação nas ruas da cidade, que antes eram restritas aos homens. Elas se juntam ao grupo feminino que já atua, pela Comcap, em varrição e na coleta de resíduos sólidos.
Loading...