Uso de celular por motoristas enquanto dirigem resulta em quase 15 multas por dia em Joinville

Você já levou uma buzinadinha ou teve de chamar a atenção do carro da frente para o sinal verde que acabara de abrir? Se a resposta for sim, provavelmente você ou o motorista da frente estava no celular. Este “vício” tem se tornado, cada vez mais, um inimigo do trânsito e um desafio para os agentes. Só no ano passado, foram aplicadas 5.350 multas em Joinville por dirigir utilizando celular. São quase 15 multas por dia (14,6). Este ano, até 18 de abril, haviam sido aplicadas 2.159 notificações. Os números referem-se a todos os órgãos de trânsito envolvidos: Guarda Municipal, agentes de trânsito e Polícia Militar. E não importa se estava falando ou digitando, se estava parado no semáforo ou transitando. É infração e agora será considerada gravíssima.

Arquivo/ND

Só no ano passado, foram aplicadas 5.350 multas em Joinville por dirigir utilizando celular

O Código de Trânsito Brasileiro, em seu artigo 252, incluiu a palavra “manuseando” para punir também quem manda mensagens de texto ou fica olhando as redes sociais ao volante. A penalidade será de R$ 293,54  e renderá sete pontos na carteira. As mudanças foram aprovadas pela então presidente Dilma Rousseff  no dia 5 e passam a vigorar dentro de 180 dias. Antes, a redação do código previa notificação por desatenção, por dirigir somente com uma mão. A infração era considerada média, com quatro pontos na carteira e menos de R$  85,12 no bolso.

Marcelo Danner, gerente de Trânsito do Detrans (Departamento de Trânsito de Joinville), admite que o número de multas poderia ser muito maior, porque ainda há falta de fiscalização. Hoje, 68 agentes atuam diariamente nas ruas de Joinville em três turnos. Comenta que a popularização dos celulares, a necessidade da informação muito rápida e a curiosidade exagerada pelas redes sociais têm sido os responsáveis pelo uso desenfreado do aparelho, inclusive no trânsito. E, claro, a falta de prudência ao volante resume tudo isto e coloca vidas em risco.

“Estamos percebendo que as pessoas não estão mais falando tanto ao celular, mas teclando”, atesta o especialista, que emenda: “para conduzir o veículo, é preciso ter atenção total. Qualquer distração torna-se perigosa, especialmente em horário de pico, quando o motorista precisa de uma reação rápida.”

O gerente de Trânsito lembra que há estudos mostrando que 25% dos acidentes nos Estados Unidos estão relacionados ao uso inadequado do celular. Por causa do aparelho, o condutor perde noção de distância, a dirigibilidade fica comprometida, há dificuldades de fazer conversões e manobras e o tempo de reação fica muito mais demorado.

Há mais de 16 anos no trânsito de Joinville, Danner tem compreensão profunda dos problemas e soluções na área. Cita que a frota ultrapassa os 370 mil veículos e há, em média, mais de um celular por habitante. Diante do desafio, tem buscado desenvolver trabalhos que levem à educação dos motoristas, a fim de resolver problemas que vão surgindo no dia a dia nas ruas da cidade. “Sempre lutei para que nossa corporação seja grande pelos trabalhos e resultados apresentados”, assinala.

Aplicativo avisa que motorista está dirigindo

Um dos aliados do motorista pode ser instalado justamente no celular. O Ministério das Cidades criou, por meio do Denatran, o aplicativo “Mãos no Volante”. O condutor pode programar o tempo que levará para fazer seu trajeto, tanto dentro da cidade quanto em viagens mais longas. Neste período, ele não receberá chamadas, mas enviará automaticamente a quem ligou uma mensagem: “Estou dirigindo no momento. Ligo mais tarde”.  

Para Marcelo Danner, é uma medida essencial para mudar a conduta nas vias. “É questão de hábito”, reforça. O especialista acrescenta o esforço conjunto entre conscientização, educação e fiscalização será determinante para tornar o trânsito mais seguro e saudável.

PM alerta para vulnerabilidade e chance de crime

O tenente-coronel Jofrey Santos da Silva, comandante do 8º BPM (Batalhão da Polícia Militar) de Joinville), vai além de enxergar um eventual acidente de trânsito. Diz que o uso de celular de forma desregrada e desatenciosa faz com que a pessoa aumente a potencialidade de crime mediante o agressor. “Quando o motorista para no semáforo e pega o celular, ele esquece o que está ao redor. Neste momento, o agressor vê uma oportunidade e pode assaltá-lo”, frisa.

O comandante lembra que o assaltante sempre vai procurar a “presa” mais fácil e quem estiver menos atento ao cenário vai ser escolhido. Jofrey cita, ainda, que é preciso uma mudança de consciência do motorista pela responsabilidade que tem consigo e com os outros. Ele acredita muito na educação e no exemplo. Quando flagram um condutor usando celular ao volante, os policiais militares têm a orientação de parar, orientar e notificar.

Outra postura que o comandante chama atenção é exemplo que quem está ao volante pode dar a quem está de carona ou às crianças que estão no banco traseiro. “Se aquela criança ver o pai, o tio, o irmão mais velho ou amigo fazendo algo errado, isto vai marcá-la.” É preciso fazer o certo para ensinar: “somos eternos replicantes”, emenda o coronel.

Sobre o aumento da multa para quem dirigir com celular, o comandante afirma que tudo o que vem para deixar o trânsito mais seguro é positivo. “As pessoas têm medo da penalidade.”

“Além da distração, há efeitos psicológicos e emocionais”, diz especialista

Para a psicóloga e psicanalista Stella Maris Brandenburg Morriesen, o ser humano está vivendo uma era de ações imediatas em que é exigido a responder de modo instantâneo em suas relações. O uso do whatsapp exemplifica bem este momento atual. Ela não nega as facilidades nem a necessidade de interação, de criação de novos laços sociais, mesmo que por meio de uma conexão virtual, mas alerta que a urgência de respostas imediatas abreviam os assuntos e, muitas vezes, as relações, além de aumentar a ansiedade e causar stress pela ânsia de observar as notificações de recebimento e visualização de respostas, tentando controlar o tempo de reação do outro.

“Fazer uso exacerbado do aplicativo, como no trânsito, é extremamente perigoso, pois além de dispersar a atenção do motorista para ouvir o áudio ou ler a mensagem de texto, o conteúdo pode afetá-lo profundamente. Portanto, não se trata apenas de uma distração mental, mas também do efeito psicológico e emocional, na maioria das vezes impossível de controlar, tornando o sujeito vulnerável na conduta do veículo, colocando a sua vida e a de muitos outros em risco”, conclui a especialista.

Dez dicas de segurança no trânsito

1 Todos os ocupantes do veículo, adultos e crianças, devem usar o cinto de segurança, inclusive no banco de traseiro

2 Crianças de até sete anos e meio nos carros devem usar os equipamentos de proteção adequados à idade (bebê conforto, cadeirinhas ou assentos de elevação)

3 Pedestre deve sempre ser respeitado. Lembre-se: você também é pedestre

4 Dirigir embriagado reduz em até 25% o tempo de reação, aumentando o risco de acidentes. Se beber, vá de ônibus, de táxi ou de carona

5 Bicicleta também é veículo, portanto deve respeitar a sinalização de trânsito. Motorista, mantenha uma distância segura de 1,5 m ao ultrapassar ciclistas

6 Respeite os limites de velocidade. Reduza a velocidade em frente a escolas ou lugares de grande concentração de pedestres

7 Motociclista, use sempre os equipamentos de proteção: capacete, luvas, botas e jaqueta.

8 Respeite as vagas reservadas para idosos e deficientes. A gentileza melhora a convivência no trânsito

9 Não use celular ao dirigir. A distração é um dos principais fatores de risco para quem está ao voltante

10 Dirigir cansado ou com sono é tão perigoso quanto dirigir alcoolizado. Pare e descanse antes de pegar a estrada

Mais conteúdo sobre

Trânsito