Velório de mulher trans assassinada em Florianópolis será nesta sexta-feira

Isabelle foi morta com golpes de faca durante um ataque na terça-feira (6) no bairro Ingleses; Polícia investiga o caso

Está marcado para às 14h desta sexta-feira (7) o velório de Isabelle Colstt, morta a facadas no bairro Ingleses, em Florianópolis, no início desta semana. O corpo da mulher de 27 anos será velado no cemitério do Itacorubi e o enterro está previsto para ocorrer às 16h30. 

Isabelle Colstt foi esfaqueada e morreu no local – Foto: Divulgação/ND

De acordo com a Adeh (Associação em Defesa dos Direitos Humanos com Enfoque na Sexualidade) da Capital, o motivo pelo pouco tempo de cerimônia será “devido ao estado do corpo, tamanha crueldade e em respeito a dor da família”. A nota foi publicada em uma página nas redes sociais da associação nesta manhã. 

Leia também:

Além de Isabelle, outra amiga dela foi esfaqueada durante o ataque. Bruna Andrade, de 30 anos, foi levada ao hospital e permanece internada. Ambas são trans e moravam na região. 

Sem divulgar mais detalhes sobre a linha de investigação, o delegado Enio de Matos, titular da delegacia de Homicídios e responsável pelo caso, informou que a polícia trabalha “com todas as possibilidades”. O crime de transfobia não foi descartado. 

Nota de repúdio

Informações iniciais divulgadas pela Polícia Militar e Polícia Civil indicavam que as vítimas do ataque eram dois homens. Após a publicação de uma matéria esses dados, a Adeh emitiu uma carta de repúdio por causa do tratamento dado pelo delegado Enio à identidade das vítimas.

A carta destaca que o agente “omitiu a informação de que seriam duas mulheres trans e informou apenas o nome morto das vítimas, desrespeitando as suas identidades de gênero trans”.

Em março de 2017, o delegado foi afastado da investigação do assassinato da transexual Jennifer Célia Henrique por causa de uma entrevista na qual descartou a possibilidade de transfobia e afirmou que o motivo seria “uma transa mal acertada”. O crime ocorreu próximo a um supermercado na SC-403, nos Ingleses, Norte da Ilha.

Polícia Civil se manifestou

Na tarde de quinta-feira (6) a Polícia Civil informou que as “investigações serão realizadas com o olhar de gênero”. Veja a íntegra da nota:

“A Polícia Civil reafirma o seu compromisso de investigar os crimes citados com todo o rigor técnico que exigem as investigações de mortes violentas de pessoas em solo catarinense, bem como informa que as investigações serão realizadas com o olhar de gênero, para a identificação ou não da qualificadora de crime de feminicídio, prevista no artigo 121 do Código Penal. Sobre a identificação inicial das vítimas, ela foi feita com base em seus registros contidos nas carteiras de identidades e registro de nascimento, o que não impede a identificação pelo nome social no curso do inquérito policial. Tão logo estejam concluídas as investigações serão fornecidas novas informações.”

+

Notícias