Vereador de Indaial, preso por suspeita de furto, pede afastamento

Atualizado

O vereador Antônio Carlos Fink, que foi preso por suspeita de furto em supermercado de Balneário Camboriú, pediu nesta quarta-feira (26) para se afastar do cargo. Na solicitação, o presidente da Câmara de Indaial apresentou licença médica e alegou problemas de saúde.

Antônio Carlos Fink, do PSDB, pediu afastamento por questões médicas – Câmara de Vereadores de Indaial/Divulgação/ND

No lugar de Antônio Carlos Fink, quem assume é o vereador Flávio Molinari, também do PSDB. No legislativo municipal, os vereadores da cidade também emitiram uma nota na quarta sobre a situação. No documento, os colegas de Antônio afirmam não caber julgamento prévio do ocorrido.

Havia uma grande expectativa que nesta quinta-feira (27) o vereador pudesse dar sua versão sobre o caso, já que é dia de sessão na Câmara de Indaial. No entanto, com o pedido de licença o vereador não irá mais se pronunciar.

Relembre o caso

Na última sexta-feira, o vereador Antônio Carlos Fink estava em um supermercado em Balneário Camboriú, no Litoral Norte, quando foi detido por seguranças. A suspeita de que Fink teria furtado alguns produtos do supermercado se confirmou após a PM encontrar, dentro do carro do vereador, alguns produtos sem a nota fiscal.

Produtos que teriam sido furtados pelo vereador em supermercado de Balneário Camboriú – Divulgação/ND

Leia também:

Nota oficial da Câmara de Vereadores de Indaial

“A Mesa Diretora da Câmara de Indaial se reuniu nesta data (26) para análise dos ofícios recebidos da Delegacia de Polícia de Balneário Camboriú e de bancada do MDB de Indaial.

Diante da solicitação de afastamento do presidente, vereador Antônio Carlos Fink, no final desta tarde, por motivos de saúde, assumiu a presidência interinamente o vereador Flávio Molinari, conforme preceituam a Lei Orgânica e o Regimento Interno da Câmara de Indaial. 

A atual Mesa Diretora, por unanimidade, decidiu que os documentos recebidos serão encaminhados à Corregedoria da Casa, para conhecimento e providências que considerar cabíveis.”

Política