Vídeo: Deficiente visual é impedido de entrar em carro por motorista de aplicativo

Derek Rabelo estava acompanhado do cão guia e da esposa grávida de noves meses quando foi impedido pela motorista de entrar no veículo

O surfista profissional Derek Rabelo, 27 anos, viveu momentos de constrangimento na última quarta-feira (20), quando foi impedido de entrar em um Uber. Isso porque Derek, que é deficiente visual estava acompanhado do cão guia. O relato viralizou nas redes sociais após ele compartilhar o vídeo em que a motorista o impede de entrar no veículo.

Além do cão guia, Derek estava com a esposa Madeline Rabelo, 27, grávida de nove meses. Ela registrou todo o episódio em vídeo. O deficiente visual revela que entrará com uma ação na Justiça contra a empresa de transportes e a motorista.

Leia também:

“Me senti muito discriminado pela motorista e pela Uber. Já passei por isso pelo menos duas ou três vezes, mas nunca havia denunciado. Isso tem acontecido com frequência com os usuários de cão-guia. Queremos trazer isso à tona e ver mudanças. O objetivo é que a justiça seja feita”, afirmou Derek.

Impedido de entrar no carro

O morador do bairro Novo Campeche, no Sul da Ilha, conta que deixou o carro da família na oficina para manutenção e acionou o aplicativo de transportes para voltar para casa. Derek relata que quando ele e a esposa sentaram-se no banco de trás, a motorista viu o cão-guia e mandou o casal sair do carro.

Derek Rabelo foi impedido de entrar em carro de aplicativo acompanhado do cão guia – Foto: Reprodução/Redes SociaisDerek Rabelo foi impedido de entrar em carro de aplicativo acompanhado do cão guia – Foto: Reprodução/Redes Sociais

“Ela disse: ‘se retira do meu carro porque cachorro eu não levo’. Eu disse para ela que não era um pet, mas um animal em serviço e citei a Lei Federal 11.126 e o decreto 5.904 que diz que o cão-guia tem direito de entrar e permanecer em todos os locais públicos ou privados de uso coletivo”, relatou.

Segundo o surfista, a motorista retrucou dizendo que conhecia a lei, mas que mesmo assim, não iria levá-los.

“Falei para a motorista que só sairia do carro dela com a polícia. Ela tentou me expulsar do carro. Começou a ligar para outras pessoas, como se estivesse me ameaçando. Chegou a pedir meu endereço”, revelou Derek.

Quando a polícia chegou ao local, foi feito o registro do boletim de ocorrência e a coleta dos depoimentos dele e da motorista.

Constrangimento

Derek e a esposa moraram nos Estados Unidos e na Austrália antes de se mudarem para Florianópolis. A escolha pela Ilha da Magia foi para ficar próximo à praia. Ele ressalta que a situação foi ainda mais desagradável pela condição da esposa, que está na reta final da gravidez.

O surfista defende a entrada do cão-guia no veículo. Segundo ele, a labradora Serena de 3 anos o acompanha a cerca de um ano e meio e é muito educada.

“Ela é limpa e bem cuidada. Não vai no banco do carro. O cão-guia sempre vai no chão, nos pés do passageiro. Não teve motivo para essa situação toda acontecer”, lamenta.

Contraponto

A empresa Uber se posicionou por meio de nota e lamentou a situação ocorrida com o passageiro.

A Política de Animais de Serviço da empresa cita as leis estaduais e federais que proíbem que motoristas parceiros usando o aplicativo Uber recusem-se a atender passageiros por causa dos animais de serviço, e também qualquer tipo de discriminação contra passageiros que precisem dessa assistência.

“Conforme explicitado no Código de Conduta da Comunidade Uber, motoristas parceiros que adotem conduta discriminatória, em violação às suas obrigações legais, perderão o acesso ao aplicativo do Parceiro Uber”, informou a empresa.

A motorista, no entanto, disse no vídeo gravado pela esposa de Derek que não tinha conhecimento sobre a legislação e nem orientação sobre como proceder nesses casos.

Confira o vídeo:

Nota da Uber:

A Uber lamenta que essa situação tenha ocorrido dentro do aplicativo. A empresa tem como Política que os motoristas parceiros cumpram a lei e acomodem cães guia. Tomamos as medidas necessárias para a suspensão da motorista citada. A Uber reafirma o seu compromisso de promover o respeito, igualdade e inclusão para todas as pessoas que utilizam o nosso app.

Acessibilidade na Uber:

  • Motoristas parceiros devem cumprir todas as leis federais, estaduais e municipais que regem o transporte de passageiros com deficiência. A violação, por um motorista parceiro, de leis que regulam o transporte de passageiros com deficiência, inclusive quanto ao uso de animais de serviço, constitui um descumprimento dos Termos de Uso da Plataforma acordado entre as partes.
  •  Assim, animais de serviço devem ser acomodados de acordo com as leis de acessibilidade em vigor. Além disso, os motoristas parceiros devem acomodar passageiros usando andadores, bengalas, cadeiras de rodas dobráveis e outros dispositivos de assistência, tanto quanto seja possível.
  •  Qualquer denúncia de discriminação resultará na desativação temporária da conta, enquanto a Uber analisa o incidente. Denúncias confirmadas de discriminação relativas à violação de lei relacionada ao transporte de passageiros com deficiência poderá resultar na perda permanente do direito de acesso à plataforma Uber.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...