Voluntários e crianças da Casa Lar Nossa Senhora do Carmo, em Florianópolis, celebram a felicidade

Crianças retiradas de suas famílias pela Justiça são transformadas pela boa vontade dos mais de 30 voluntários, que se uniram para sanar todas as necessidades da Casa Lar

ALINE TORRES
Especial para o Notícias do Dia

Hipócrates já estudava a depressão em 460 a.C. De lá para cá, nesses últimos milhares de anos, vasculharam-se as tristezas dos homens. Até que a ciência moderna deslocou sua lupa para felicidade. Desde 1981, quando a Universidade de Illinois, Estados Unidos, fez a primeira pergunta, cientistas do mundo inteiro buscaram resposta para ela. É possível viver com plenitude? Eles não apenas constataram que sim como descobriram a tônica da felicidade: quem sai de si para amparar o outro se realiza. E foi justamente para comemorar essa equação perfeita, descoberta recentemente pelos pesquisadores, mas velha conhecida das pessoas de bem, que os voluntários da Casa Lar Nossa Senhora do Carmo, em Florianópolis, se reuniram na última quarta-feira.

Marco Santiago/ND

Voluntários e crianças da Casa Lar Nossa Senhora do Carmo celebram a felicidade

A Casa abriga crianças retiradas de suas famílias pela Justiça. Se ao lado dos pais elas conheceram a pobreza ou a violência, na ONG – fundada há 21 anos no bairro Coqueiros por quatro mulheres – são transformadas pela boa vontade dos mais de 30 voluntários, que se uniram para sanar todas as necessidades. “As mudanças são rápidas. Na segunda semana já são mais felizes”, conta a presidente da Casa Lar, Regina Floriani Petry, 55 anos.

Regina assumiu a Casa Lar no dia 26 de abril de 2012. Ao invés de dinheiro, ganha responsabilidades. Ela é quem corre atrás de convênios públicos para manter as portas abertas, desata burocracias, batalha por parcerias e, quando mesmo assim falta, pede ajuda – e recebe.

Um voluntário doa leite, o outro feijão, Quando chegam as roupas, Nilva Hoffer, 48, Naide Floriani, 76, Ana Barcelos, 60, selecionam as que servem para as crianças e o resto transformam em renda através de bazares mensais. Têm quem ofereça seu trabalho, como os psicólogos. Os mais populares criam campanhas nas redes sociais. E não falta quem dê amor. “O mais bonito do voluntariado é que cada um contribui com o que tem. Uma pessoa doa R$ 2 por mês na conta de luz. Outra busca todos os anos, em julho, as crianças para festa de aniversário da filha, em Balneário Camboriú. Ela paga o ônibus e compra presentes para cada um”, disse Regina.

Corrente do bem

Mas há voluntários que dão mais do que têm. A professora Regina Brasil também estimula seus alunos ao voluntariado. Como Bruna Mência, 23 anos, que se envolveu com a ONG quando tinha aulas no terceirão e atualmente é a vice-presidente.

Regina é parceira de longa data, há quase 20 anos visita a Casa Lar. “Eu não tenho filhos, mas estar aqui não deixa de ser uma maternidade voluntária. Não foi um acidente de percurso, escolhi estar aqui e vivo diversos amores”, disse.

E é claro que no amor há paradoxos. Ao mesmo tempo em que existe a torcida para que as crianças sejam adotas, sente-se muito a partida quando elas vão embora.

Maria Mello, 62, é outra que tira lições profundas da Casa Lar. “Reconstruí minha vida aqui”, disse. Sempre que a vida parece difícil ela busca coragem nas crianças, capazes de se reinventar em poucos dias. “Aqui a gente aprende o que realmente importa, a se desprender de velhos ranços e percebe como é possível amar depressa”, concluiu.

Empenho dos funcionários

Seu Sardá é o Severino, trabalha há 14 anos como motorista e pau para toda obra da Casa Lar. Se sente grato. Florislene Neres Baldissarelli, 50 anos, braço direito e esquerdo da presidente, não mede palavras para definir seu emprego. “É o melhor da minha vida! Não levanto com preguiça. Tenho um propósito”, afirmou. Outros dez funcionários se empenham para oferecer cuidado e segurança para as 19 crianças que vivem ali, e não o fazem apenas por contrato, mas porque estão envolvidos na mesma finalidade que, aliás, também é uma fórmula antiga para paz interior: amar ao próximo.

Três dicas para ser feliz

Assista ao documentário Happy, disponível gratuitamente https://vimeo.com/93854208

Ajude a Casa Lar, entre em contato, faça uma visita: 3028-9414

Se envolva mais com o mundo e com as pessoas

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...