Votação do relatório da CPI da Ponte é transferida para próxima semana

Atualizado

Os membros da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga eventuais irregularidades nas obras da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, decidiram adiar a votação do relatório para a próxima terça-feira (10), às 17h. O relatório final foi apresentado nesta segunda-feira (2) pelo deputado Bruno Souza (Novo) e o adiamento é para os parlamentares poderem ler e analisar as 600 páginas da conclusão dos trabalhos iniciados em fevereiro deste ano.

Reabertura da Ponte Hercílio Luz está programada para dezembro – Foto: Reprodução / Flavio Tin / ND

O presidente da CPI, deputado Marcos Vieira (PSDB), explicou que as reuniões desta segunda e terça-feira (3) foram inicialmente marcadas para leitura e votação do relatório. No entanto, afirmou que seria um período curto para analisar as 600 páginas.

Devido isso, em comum acordo entre os membros da CPI, foi decidida a transferência da votação para a próxima terça-feira (10). Sobre a leitura do documento, Vieira salienta que, da mesma forma como funciona o plenário da Casa, os deputados terão uma semana para ler o relatório e se darão por cientes do que foi apresentado. “Na próxima reunião, os deputados poderão fazer indagações e o relator poderá apresentar um resumo sucinto do relatório”.

No total, toda documentação levantada nas reuniões da CPI, que foram realizadas em 240 dias divididos em dois períodos, foram de 26 instrumentos com 85 volumes e 18.182 páginas.

Leia também: 

Conforme o relator, o documento pode ser resumido em 50 páginas com as recomendações. “A maioria é probatória do que foi levantado nas reuniões, com depoimentos e apuração da documentação”, ressaltou Souza.

Além de Souza, participaram da reunião os deputados Marlene Fengler (PSD), João Amin (PP), Jessé Lopes (PSL), Jerry Comper (MDB), Fernando Krelling (MDB). Os deputados Sargento Lima (PSL) e Luciane Carminatti (PT) justificaram a ausência da reunião.

Rigor técnico

Como resultado, o relator Bruno Souza afirmou que também concordou com a prorrogação do prazo para votação. Ele afirmou que que os demais membros da CPI solicitaram e precisam de mais um período para se aprofundar no estudo da conclusão.

Sobre o relatório final, o deputado assegurou que está com a consciência tranquila e satisfeito com o trabalho que a sua equipe realizou nestes oito meses.

“Tenho muita certeza do rigor técnico na busca da verdade e a certeza da coragem que foi feito o relatório, não deixando de apontar para ninguém que precisasse ser apontado. Ali tem os fatos do que aconteceu do dia 30 de dezembro de 1980 aos dias atuais”, disse o relator.

No entanto, o parlamentar sintetizou o relatório que será lido na próxima terça-feira. “Muito por ineficiência, muito por descaso, muito por fragilidade de nossas instituições e de nossos órgãos, tanto fiscalizadores como os ordenadores de despesa”, disse.

Além disso, Bruno Souza afirmou que existe certas pendências no caso da Ponte Hercílio Luz.

“Chegamos à conclusão que temos fraudes em licitações, organização criminosa, falsidade ideológica, um rol de crimes que estão ali apontados no relatório e por isso pedimos o indiciamento de diversas pessoas do meio político e do meio empresarial para que possamos virar essa página da ponte Hercílio Luz e trazer a verdade à tona.”

Além disso, Bruno Souza concluiu que foram gastos R$ 688 milhões, em valores atualizados em todos os contratos e aditivos na reforma da Ponte Hercílio Luz. “Muito dinheiro desperdiçado. Essa cifra poderia ser bem menor.”

Mais conteúdo sobre

Justiça