Família da ciclista catarinense Squel Stein sofre com a queda da atleta em Londres

Clima foi de tensão na casa da riossulense

Jully Annye Goedert/Folha do Alto Vale

Família da ciclista Squel Stein Olimpíadas Londres

Parentes de Squel Stein ficaram preocupados com a atleta

Jully Annye Goedert – Folha do Alto Vale

O clima de tensão era grande na casa de Squel Stein. Família e amigos se reuniram para assistir a atleta na disputa da semifinal do BMX nesta sexta-feira nas Olimpíadas de Londres. Minutos antes de iniciar a prova o silêncio e a ansiedade tomavam conta do ambiente, mas logo deram lugar à preocupação, com a queda da riossulense. 

As lágrimas puderam ser vistas nos rosto da mãe, Marlise Stein, que não conseguiu disfarçar a tensão. “Sempre falamos que ela não precisava chegar em primeiro lugar. O importante era não cair, não se machucar”, disse angustiada. Nos minutos que seguiram a tensão foi ainda maior. “Ela largou na pior posição, acho que isso influenciou”, ressaltou.

A irmã, Stéfanie Stein, que mora em Balneário Camboriú, também estava presente para assistir a disputa.
Quanto a corrida desta sexta, a irmã ressaltou que o importante foi a competição. “Ficamos muito ansiosos e nervosos, pois sabemos a importância dessa competição para a Squel. Mas só o fato de ela participar já é uma vitória”, disse Stéfanie.

Após a queda, o ciclista Renato Rezende deixou um recado no Facebook de Squel, informando que estava tudo bem com a atleta. “Isso nos tranquilizou, pois mesmo com a gravidade do tombo não foi nada mais grave”, disse a mãe. Mais tarde, também pela internet, a biker, que começou nesta modalidade aos 11 anos, conversou com a família.

A avó materna, dona Bella, que também assistiu a disputa, ressaltou o orgulho da neta. “Ela é ótima no que faz e não torcemos para que ganhe uma medalha, mas principalmente para não cair”, disse. “Esperamos que ela volte amanhã (sábado) e que se recupere o quanto antes. Tomara que agora o Brasil olhe mais para este esporte, e invista em pistas para treino, pois assim na próxima (Olímpiada) ela terá mais chance”, torce a irmã.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo